EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Macron ganha prioridade aos EUA numa vacina contra a Covid-19

Emmanuel Macron visitou laboratórios da Sanofi para mostrar apoio na luta à Covid-19
Emmanuel Macron visitou laboratórios da Sanofi para mostrar apoio na luta à Covid-19 Direitos de autor AP Photo/Laurent Cipriani, Pool
Direitos de autor AP Photo/Laurent Cipriani, Pool
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente francês visitou os laboratórios da Sanofi, que havia admitido privilegiar o governo de Trump no acesso a uma eventual vacina. A farmacêutica assume agora lealdade a França

PUBLICIDADE

Emmanuel Macron fez questão de mostrar apoio esta terça-feira aos investigadores dos laboratórios franceses Sanofi que estão a trabalhar na busca de uma vacina contra a Covid-19.

O Presidente de França terá conseguido mesmo reverter a posição da farmacêutica de dar prioridade aos Estados Unidos no acesso a um eventual tratamento que venha a descobrir

Foi no meio de uma corrida mundial pelo antídoto para o SARS-Cov-2 que Emmanuel Macron decidiu visitar a Sanofi, onde voltou a defender "a visão de uma vacina como um bem público global".

"Como é óbvio, os esforços de pesquisa tem de ser compensados, mas nós precisamos de lutar de forma coletiva contra qualquer forma de retenção. É inaceitável que este ou aquele país, e em especial as nações subdesenvolvidas, não tenham acesso à vacina", afirmou o Presidente de França.

A empresa francesa esteve no centro de uma polémica transatlântica após o diretor executivo da empresa, Paul Hudson, ter admitido que os Estados Unidos teriam prioridade no acesso à vacina da Covid-19 porque tinha sido o país que mais tinha contribuído para a pesquisa. Isto depois de a Administração Trump ter contribuído mais de 26 milhões de euros na farmacêutica.

A Sanofi reviu, entretanto, a posição e esta terça-feira, ao anunciar um investimento de mais de 600 milhões de euros nos laboratórios de pesquisa franceses, o mesmo Paul Hudson manifestou agora total lealdade ao país onde tem a empresa sediada.

"O coração da Sanofi bate em França. A nossa história e valores estão em França. O nosso futuro é em França. É por isso que estamos contentes de alinharmos ao lado da França no combate a futuras pandemias", afirmou o diretor executivo da farmacêutica.

A jornalista da Euronews, Annelise Borges, lembra-nos que "já há algum tempo o Presidente de França tem vindo a defender que qualquer vacina para a Covid-19 deve ser um bem público global".

Macron dá assim "eco eco aos apelos de que quaisquer tratamentos ou vacinas descobertos devem ser disponibilizados rapidamente para todos e de forma gratuita".

"Mas enquanto alguns se preocupam com o acesso e o abastecimento, investigadores de diversos programas de vacinas, incluindo na Sanofi, têm ainda de desenvolver uma vacina que de facto resulte", adverte a nossa jornalista.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia garante 300 milhões de doses de possível vacina da Sanofi

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo

Rishi Sunak pede desculpa aos familiares das vítimas da Covid-19