EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Os efeitos da Covid-19 "serão sentidos nas próximas décadas"

Os efeitos da Covid-19 "serão sentidos nas próximas décadas"
Direitos de autor AP Photo/Andy Wong
Direitos de autor AP Photo/Andy Wong
De  Nara Madeira com AFP, AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Organização Mundial de Saúde lança alerta: os efeitos da Covid-19 "serão sentidos nas próximas décadas"

PUBLICIDADE

Boas novas para a China que depois de um novo susto, como o aumento de novos casos de Covid-19, em Pequim, vê o número de infetados diminuir. Situação idêntica na Coreia do Sul. O que faz acreditar que se está a conseguir conter os novos surtos, nestes países.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde alerta para o facto de que o número de casos tem aumentado rapidamente. "Demorou três meses para se alcançar o primeiro milhão de casos a serem relatados", explica, o segundo milhão foi atingido "em apenas oito dias. Sabemos que a pandemia é muito mais do que uma crise de Saúde, é uma crise económica, social e, em muitos países, uma crise política", afirmou o responsável da OMS acrescentando que "os seus efeitos serão sentidos nas próximas décadas".

Na Alemanha e depois de confirmado que mais 1300 funcionários de um matadouro, pertencente ao maior produtor de carne de porco do país, estão infetados com o novo coronavírus continuam a tomar-se medidas mas o governo regional mantém a cautela enquanto as autoridades nacionais viram-se para a importância de reformar a União Europeia.

"Na Europa, a nossa tarefa mais urgente é criar um poderoso relançamento económico e social. Essa também é a principal prioridade da presidência alemã da UE, que começa a 1º de julho. O lema será tornar a Europa novamente forte, juntos. Queremos um novo começo corajoso, mas acima de tudo queremos um novo começo baseado na solidariedade, e estamos decididos a não deixar para trás nenhum país europeu".

Em França, vive-se uma nova fase do desconfinamento. Esta segunda-feira regressaram às aulas, obrigatoriamente, grande parte dos alunos, incluindo os universitários, quando restam cerca de duas semanas para o final do ano letivo. Reabriram também cinemas, casinos, os desportos coletivos passam a estar autorizados. A nova etapa avança quando no país há mais de 56 mil pessoas infetadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pandemia foi duro golpe para mercado do alojamento local

Europa cria aliança para investigar covid-19

Hamas e Fatah assinam acordo de "unidade nacional" em Pequim