EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Desconfinamento depende do respeito das regras pelos angolanos

Hospital Pediátrico David Bernardino, Luanda, Angola
Hospital Pediátrico David Bernardino, Luanda, Angola Direitos de autor LUSA
Direitos de autor LUSA
De  Nara Madeira com Lusa, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Continuidade do desconfinamento, em Angola, depende do comportamento dos angolanos, ou seja, do respeito pelas regras, diz o chefe de Estado.

PUBLICIDADE

Se os angolanos não respeitarem as regras que têm como objetivo evitar a propagação do novo coronavíruis o país pode fazer "marcha atrás" no que diz respeito às medidas de desconfinamento, quem o diz é o presidente de Angola quando no país o número de casos ativos do vírus é superior a 160 e desde o início da propagação foram registados mais de 250. 

João Lourenço respondia aos jornalistas à margem da cerimónia de inauguração da maior unidade de cuidados pediátricos do país, localizada em Luanda:

“Se o desconfinamento for paulatino e responsável, com responsabilidade dos cidadãos em continuarem a utilizar as máscaras, lavarem as mãos com frequência, manterem o distanciamento entre as pessoas, pode-se fazer o desconfinamento sem que haja o grande risco de aumentar os casos positivos, portanto, tudo depende de nós”, frisou.

Também a Polícia Nacional se mostra preocupada. O porta-voz do organismo, Valdemar José, alertava para o facto de que "talvez" seja necessário adotar medidas mais duras ou voltar ao estado de emergência do qual o país saiu a 25 de maio. O responsável justificava esta, eventual necessidade, pelo facto de as regras não estarem a ser cumpridas por uma parte da população, dos comércios, vendedores ambulantes e restaurantes.

Editor de vídeo • Nara Madeira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid-19 obriga Angola a desembolsar mais de 85 milhões de euros na compra de títulos

Governo angolano diz que já gastou 64 milhões de euros no combate à pandemia

Covid-19: Concertos online para “ajudar artistas” angolanos