Última hora
This content is not available in your region

Governo britânico acusado de negligência

euronews_icons_loading
Cathy Gardner, com o pai
Cathy Gardner, com o pai   -   Direitos de autor  Cathy Gardner/Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O número elevado de mortes por Covid-19 em lares no Reino Unido está a levantar uma onda de contestação. Foi lançada uma petição nacional e pedidos esclarecimentos ao governo. Downing Street não comenta para já as dúvidas dos familiares das vítimas.

O pai de Cathy Garner morreu no lar com causa provável de infeção pelo novo coronavírus. Tinha estado internado no hospital, mas nunca foi testado. Pelas informações que Cathy recolheu, o pai não foi caso único e acusa as autoridades de terem posto em prática "uma política de retirada de cidadãos mais velhos dos hospitais, sem serem testados ou mesmo com Covid-19 confirmada". Cathy considera que esta decisão pôs em causa estabelecimentos que deviam ser seguros para os residentes. Encontra nesta circunstância a explicação para "o elevado número de mortes em lares em todo o Reino Unido".

A família de Cathy abriu um processo judicial contra o Estado para apurar responsabilidades. Na primeira resposta, nem uma palavra sobre admissão de culpa. A defesa diz que “foram tomadas medidas abrangentes para proteger as pessoas que vivem e trabalham em lares".

Paul Conrathe, advogado da família Garner, considera "surpreendente que não tenham referido a autorização para a transferência de pessoas para os lares sem serem testados à Covid-19". Sublinha também que não receberam qualquer documento que suporte essa decisão.

Os advogados da família Garner querem que o caso chegue a tribunal. Já conseguiram reunir mais de 65 mil euros. Procuram a condenação por conduta ilegal e negligente perante um dos grupos mais vulneráveis nesta pandemia.

Contactada pela Euronews, a autoridade britânica de Saúde declinou fazer comentários sobre possíveis ações legais.

O processo da família Garner é um de vários que têm sido instaurados. A petição a pedir esclarecimentos ao primeiro-ministro e ao ministro da saúde britânicos já tem mais de 70 mil assinaturas.