Última hora
This content is not available in your region

Líder social-democrata croata demite-se após derrota nas legislativas

euronews_icons_loading
Líder social-democrata croata demite-se após derrota nas legislativas
Direitos de autor  AP/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Davor Bernardić, o líder do Partido Social-Democrata (SPD) croata, na oposição, e rosto da coligação de centro-esquerda Recomeçar apresentou a demissão no rescaldo das eleições legislativas deste domingo.

A coligação foi a segunda força política, assegurando 41 dos 151 assentos parlamentares, atrás dos conservadores da União Democrática Croata (HDZ) que reforçaram a liderança, mas sem maioria, num escrutínio marcado pela abstenção.

Zoltán Siposhegyi, Euronews - A Croácia em peso fala sobre o número 66, a quantidade de assentos parlamentares que a União Democrática Croata conseguiu obter. Mas o número 34 é agora o mais importante porque a participação foi de 34%. Nos últimos dias entrevistámos dezenas de pessoas e a grande maioria referiu que não se importa com a política e que não vota porque todos os partidos oferecem o mesmo. Andrej Plenković terá de enfrentar imensas dificuldades com pouca legitimidade, o que não será fácil."

Uma das surpresas da noite deste domingo foi a entrada no parlamento de uma coligação de esquerda verde, o que fez com que a Croácia se juntasse à vaga que dominou as últimas eleições europeias.

Apesar de o Movimento da Pátria, formação de extrema-direita do cantor nacionalista e antissistema Miroslav Škoro, ter sido a terceira força política, o primeiro-ministro Andrej Plenković começou a explorar alianças com partidos minoritários.

"Vamos ter uma segunda eleição ou um governo instável de minoria, o que será um problema por causa da pandemia e dos efeitos que terá na economia", sublinhou, em entrevista à Euronews, o analista político Vuk Vuković.

A estabilidade política será crucial para fazer frente à recessão económica prevista por causa da pandemia de Covid-19, que na Croácia poderá ser de 9% a 10% este ano.