Última hora
This content is not available in your region

UE revela estratégia para energia à base de hidrogénio

euronews_icons_loading
UE revela estratégia para energia à base de hidrogénio
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Portugal é um dos países da União Europeia mais interessados em apostar no hidrogénio como fonte de energia renovável para uma transição climática bem-sucedida.

A Comissão Europeia apresentou a sua estratégia, quarta-feira, aconselhando os governos dos 27 países a investirem para que o bloco atinja um milhão de toneladas de hidrogénio renovável até 2024.

"Precisamos de ter uma definição clara do que deve ser considerado hidrogénio ecológico e realemente renovável. Isso é muito importante porque o hidrogénio deve ser encarado como uma das chave para diminuir as emissões de dióxido de carbono na produção de energia, incluindo a usada nas indústrias intensivas, como por exemplo, a de produção de aço", disse Claudia Gamon, eurodeputada liberal austríaca, em enrevista à euronews.

"Não haverá grande alternativa ao hidrogénio se realmente se quiser tornar a economia mais ecológia. Temos de nos assegurar que a sua producao é mesmo ambientalmente sustentável, através de padrões claros", acrescentou.

O hidrogénio pode ser obtido a partir de energia fóssil ou renovável, como por exemplo a solar, que vai ser a aposta de Portugal para a sua nova central projetada para Sines.

Os ambientais estão preocupados com algumas parcerias feitas pela Comissão Europeia, nomeadamente com a Aliança Europeia para o Hidrogénio.

"Algumas das empresas convidadas para esta aliança são grandes nomes da indústria de combustíveis fósseis, tais como a Shell e a Snam, que pertencem à indústria de combustíveis fósseis e que não estão interessadas em produzir hidrogénio a partir de eletricidade renovável. Estão interessado em manter a Europa viciada em combustíveis fósseis e vão produzir hidrogénio de forma a que será um combustível fóssil com outro nome", alertou a ambientalista Tara Connolly, da Amigos da Terra-Europa.

É o caso do governo português que está a estudar incluir na parceria as empresas EDP e a Galp.