Última hora
This content is not available in your region

Lukashenko promete novas eleições

euronews_icons_loading
Lukashenko promete novas eleições
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Depois das manifestações de protesto seguem-se as greves.

Há nove dias que o governo da Bielorrússia enfrenta uma vaga de indignação sem precedente na sequência das eleições presidenciais de 9 de agosto.

Os manifestantes afirmam que o ato eleitoral foi marcado pela fraude.

Esta segunda-feira, o presidente Lukashenko deslocou-se a uma fábrica de tractores na capital Minsk mas foi confrontado com gritos de protesto de mais de 5 mil trabalhadores em greve.

Lukashenko prometeu novas eleições mas só depois de aprovar a nova constituição.

"Precisamos de aprovar uma nova constituição que até a oposição vai aceitar. É preciso aprová-la em referendo porque a constituição anterior também foi aprovada num referendo. E, com base na nova constituição e se vocês quiserem vamos realizar novas eleições: para o parlamento, a presidência e os órgãos dos governos locais", prometeu o presidente Alexander Lukashenko.

A Comissão Europeia está a considerar o alargamento das sanções que já impôs sobre o país.

O porta-voz do governo alemão apelou ao diálogo.

"As autoridades devem evitar o recurso à força contra manifestantes pacíficos. Em segundo lugar, os prisioneiros políticos devem ser libertado imediatamente e incondicionalmente. Em terceiro lugar, é necessário um diálogo nacional entre o governo, a oposição e a sociedade a fim de ultrapassarem esta crise", afirmou Steffen Seibert, porta-voz da Chanceler Angela Merkel.

As manifestações pacíficas da semana passada foram alvo de violência por parte da polícia.

Pelo menos sete mil pessoas foram detidas pelas autoridades. Há a lamentar pelo menos um morto assim como centenas de feridos.