Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas critica repressão na Bielorrússia, Moscovo e Pequim felicitam Lukashenko

euronews_icons_loading
Bruxelas critica repressão na Bielorrússia, Moscovo e Pequim felicitam Lukashenko
Direitos de autor  Sergei Grits/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

O descontentamento com a reeleição de Alexander Lukashenko na Bielorrússia fez-se sentir não só nas ruas de Minsk mas também além-fronteiras. A repressão policial foi a via escolhida pelas autoridades bielorrussas para calar o descontentamento popular a nível interno mas foi também a gota de água que fez a comunidade internacional reagir em peso.

Para Ursula von der Leyen, a violência sobre quem se manifesta de forma pacífica não tem lugar na Europa. A Presidente da Comissão Europeia apela ainda à transparência na publicação dos resultados, lançando a dúvida sobre um processo eleitoral que a oposição classificou de fraudulento desde o início.

Alexander Lukashenko é o único presidente que o país conheceu desde a independência da União Soviética e foi eleito para um sexto mandato com mais de 80% dos votos. Descrito pelos Estados Unidos como o "último ditador da Europa", Lukashenko não deixa de contar com alguns apoiantes no cenário político internacional.

Entre os chefes de Estado que não perderam tempo a dar-lhe os parabéns pela reeleição estão o presidente chinês, Xi Jinping, e o presidente russo, Vladimir Putin.