EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Cinema de Angola e Moçambique chega à Netflix

Gil Alexandre em "Resgate"
Gil Alexandre em "Resgate" Direitos de autor © Mahla filmes lda
Direitos de autor © Mahla filmes lda
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Santana" e "Resgate" são os primeiros filmes dos PALOP presentes no catálogo da plataforma digital.

PUBLICIDADE

"Santana" é um filme de ação que mostra a rivalidade entre dois polícias irmãos na luta contra o crime organizado. É uma coprodução entre Angola e África do Sul, com assinatura de Maradona Dias dos Santos e Chris Roland, que estreia esta sexta-feira (28 de agosto) na Netflix. É um marco importante para o cinema africano, já que é o primeiro filme de Angola e segundo dos PALOP a entrar para o catálogo da plataforma, acessível em quase todo o mundo.

"Estão a acreditar em nós - Angola e Moçambique. A música espalha-se por todo o mundo, as pessoas conhecem os cantores, mas o cinema foi sempre uma coisa local, uma coisa doméstica. Agora percebemos que isso está a mudar. Nós queremos contar a nossa história. Nós somos capazes, queremos fazer parte disso. Não nos escondemos mais", diz Maradona Dias dos Santos.

Também acessível na Netflix está "Resgate", um filme independente 100% moçambicano, escrito, realizado e produzido por Mickey Fonseca. Conta a história de um jovem que se vê obrigado a entrar no mundo do crime. Fazer cinema independente não é fácil e a rodagem foi o coroar de um processo que levou seis anos. A chegada à plataforma digital segue-se à história de sucesso que o filme teve nas salas de cinema de Moçambique.

"Há, infelizmente, apenas quatro cinemas em Moçambique. Mas com esses quatro cinemas, conseguimos ficar oito semanas em cartaz e quase 10 mil pessoas foram ver o filme. Levámos pessoas ao cinema que nunca tinham ido ao cinema. As pessoas sentem-se muito orgulhosas, gostam muito do filme. Agora, com a Netflix, o filme voltou a ganhar mais vida, parece que a estreia foi ontem. Estamos muito contentes. Estávamos à espera que o filme tivesse um impacto grande, mas não desta forma. Principalmente aqui em Moçambique", conta o realizador à euronews.

O catálogo da Netflix tem agora um pouco mais de língua portuguesa. Talvez este seja um passo para tornar mais visível e mais conhecida, a nível mundial, a produção audiovisual de África.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"O Fim do Mundo": A história de uma comunidade "esquecida" no país

África: Transmissão do poliovírus interrompida em 47 países

Assim era a "Ekecheiria": a trégua olímpica que a ONU quer trazer de volta