Última hora
This content is not available in your region

75.ª Assembleia-Geral da ONU em modo de teletrabalho

euronews_icons_loading
75.ª Assembleia-Geral da ONU em modo de teletrabalho
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Todos os anos, a Assembleia-Geral das Nações Unidas recebe líderes do mundo inteiro. Em 2020 foram "convidados" a ficar em casa, mas a sessão de abertura ficou marcada pelas palavras do secretário-geral que, em contexto de pandemia de Covid-19, trouxe a debate os perigos da contenda entre Washington e Pequim.

"Temos de fazer todos os possíveis para evitar uma nova Guerra Fria. Estamos a caminhar para uma direção muito perigosa. O nosso mundo não pode permitir um futuro em que as duas maiores economias dividem o globo em uma grande fratura - cada qual com as próprias regras comerciais e financeiras, capacidades de internet e inteligência artificial", sublinhou António Guterres.

Este ano, os líderes mundiais discursam através de mensagens de vídeo pré-gravadas que serão transmitidas ao longo de vários dias. Por esse motivo, os apelos de António Guterres não poderiam ter impacto sobre a mensagem de Donald Trump.

O presidente dos EUA aproveitou o facto de não ter uma assembleia física pela frente para lançar duras críticas à China por causa da pandemia de Covid-19.

"Temos de responsabilizar a nação que libertou esta praga para o mundo: a China. O governo chinês e Organização Mundial de Saúde, controlada virtualmente pela China, declararam, de forma falsa, que não existiam evidências da transmissão da doença entre humanos. Mais tarde disseram, de forma falsa, que as pessoas sem sintomas não propagariam a doença", atacou Trump.

O presidente Xi Jinping, por outro lado, disse que o governo chinês não tem intenção de entrar numa nova Guerra Fria mas deixou avisos contra as tentativas de politizar a luta para controlar a pandemia.