Última hora
This content is not available in your region

Retoma de voos internacionais em Luanda com pouca procura

euronews_icons_loading
Avião fa TAAG prepara-se para descolar rumo a Lisboa
Avião fa TAAG prepara-se para descolar rumo a Lisboa   -   Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 120 pessoas viajaram, na terça-feira, de Luanda para Lisboa, no primeiro voo comercial internacional da companhia angolana TAAG. Um regresso com pouca procura de passageiros em comparação com a abertura dos voos domésticos há uma semana.

O tráfego aéreo em Angola suspendeu as operações comerciais, por causa da pandemia, a 20 de março. Há uma semana, foram retomados os voos comerciais domésticos e, esta segunda-feira, os internacionais, com um primeiro voo, ida e volta, realizado pela TAP, ligando Lisboa-Luanda-Lisboa.

"Já estou desde junho a tentar ligar para a TAAG para conseguir três bilhetes, para mim e para as minhas bebés. Graças a Deus consegui", conta Gloria Morais, minutos antes de embarcar o no primeiro voo da companhia angolana rumo a Portugal desde a chegada da pandemia ao país.

"Estou há 11 meses em Angola e há três semanas num hotel à espera de voo. E, como pode ver, ainda não cheguei a tempo", lamenta o marinheiro hondurenho Lenny Mcnab, que perdeu este primeiro voo da TAAG.

À chegada a Angola e à partida, os passageiros têm de realizar ou apresentar um teste à Covid-19. Para quem chega, ter um teste negativo não invalida uma quarentena de sete dias, mas agora já não de forma institucional, isto é, num local validado pelo governo.

"Todos os passageiros que chegam a Luanda com um teste Covid negativo, que é obrigatório, têm de fazer uma semana de quarentena domiciliária e depois retomam a sua vida normal", realça Hélio Soma, diretor de Operações de Terra da TAAG.

Os voos comerciais agora autorizados não se destinam a viagens de turismo. É imprescindível ter uma prova de residência no país de destino, um visto de trabalho, uma prova de tratamento médico, ser diplomata ou estudante.

"Depois de seis meses com as fronteiras fechadas para voos comerciais internacionais, Angola assinala a reabertura das fronteiras aéreas desta primeira rota com destino a Portugal", conclui a correspondente da Euronews em Angola, Neusa Silva.

A TAAG e a TAP vão alternar os dias nas ligações entre Lisboa e Luanda. A companhia portuguesa voa às segundas, quartas e sexta-feiras. A angolana, às terças, quintas e domingos.

Também o Brasil vai contar com um voo quinzenal, a ligar Luanda a São Paulo. O primeiro marcado para esta sexta-feira, sem necessidade de autorização especial, mas obrigando a cumprir os procedimentos burocráticos a realizar um teste à Covid-19 até 72 horas antes da viagem.