EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Beatles" do Daesh julgados nos EUA

"Beatles" do Daesh julgados nos EUA
Direitos de autor Hussein Malla/Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Hussein Malla/Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Começa o julgamento de Alexanda Kotey e El Shafee Elsheikh. Os "Beatles" do Daesh estão acusados de sequestro e assassinato de jornalistas norte-americanos

PUBLICIDADE

Começou o julgamento dos alegados membros do grupo Estado Islâmico Alexanda Kotey e El Shafee Elsheikh, dois dos quatro homens apelidados de "Beatles" pelos reféns que mantiveram em cativeiro no Iraque e na Síria, devido ao seu sotaque britânico.

Os dois homens compareceram num tribunal federal do estado norte-americano da Virgínia e, de acordo com o procurador-geral adjunto para segurança nacional, John Demers, "os arguidos estão acusados de ofensas terroristas relacionadas com a tomada de reféns e o assassínio de quatro norte-americanos, assim como de cidadãos da Grã-Bretanha e do Japão".

Kotey e Elsheikh estarão, alegadamente, envolvidos nos assassinatos dos jornalistas norte-americanos James Foley e Steven Sotloff e dos trabalhadores humanitários Peter Kassig e Kayla Mueller.

As famílias das vítimas saudaram as acusações.

Para Diane Foley, mãe de James "este é um primeiro passo, no entanto, um passo importante para mostrar ao mundo que temos de responsabilizar estes homens para que haja qualquer possibilidade de parar o terror que infligiram a tantas pessoas".

De acordo com as acusações, Elsheikh descreveu a sua participação num ataque do Daesh contra o exército sírio.

Alexanda Kotey e El Shafee Elsheikh foram capturados em janeiro de 2018 pelas forças curdas na Síria.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Carros clássicos dos Beatles expostos em Londres

Tiroteio mortal, nos EUA: Polícia local fala em motivações raciais, o atirador "odiava os negros"

Trump prepara-se para audiência no tribunal