Última hora
This content is not available in your region

Na lista de "procurados" da Rússia

euronews_icons_loading
Na lista de "procurados" da Rússia
Direitos de autor  Kay Nietfeld/(c) Copyright 2020, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia incluiu, na quinta-feira, o nome de Svetlana Tikhanovskaya na lista de procurados por acusações criminais.

A líder da oposição da Bielorrússia, que pediu asilo na Lituânia, poderá ser presa e extraditada para o seu país caso resolva viajar até à Rússia.

Entrevistada por Isabelle Kumar, para o programa Global Conversation, da euronews, Tikhanovskaya reagiu à medida de Moscovo.

"A questão não está na Rússia. A questão está na Bielorrússia, estamos a falar da Bielorrússia e temos prestado atenção à Bielorrússia, não à Rússia. Temos a responsabilidade de resolver esta crise política dentro da Bielorrússia. É uma pena que alguns países, alguns líderes não apoiem estas pessoas na luta pelos seus direitos pelo direito decidirem o futuro da Bielorrússia. Temos de lidar com isto, mas não temos de prestar muita atenção a todos esses fatores".

Com o marido, Serguei, preso desde maio, após ter avançado com a sua candidatura presidencial contra Alexander Lukashenko, Svetlana tenta gerir a vida familiar.

"Para a minha filha mais nova, ela tem cinco anos e não compreende que o pai esteja na prisão, a situação é pior, porque ela sente muito a falta do pai. Todas as noites ela pergunta quando é que o pai volta para casa. Tenho de explicar isso. Digo que está numa viagem de negócios e que regressará muito em breve. Já o meu filho mais velho compreende como o pai está, mas não me faz muitas perguntas porque é suficientemente adulto para compreender que é doloroso. Por isso, de alguma forma, vamos lidando com isso".

A entrevista completa será emitida, esta sexta-feira à noite, no programa Global Conversation da euronews.