Última hora
This content is not available in your region

Arranca o recolher obrigatório em nove regiões francesas

euronews_icons_loading
Arranca o recolher obrigatório em nove regiões francesas
Direitos de autor  Francisco Seco/Copyright 2020 The Associated Press.All rjghts reserved
Tamanho do texto Aa Aa

No dia em que mais de 25 mil pessoas foram dadas como infetadas, em França, ainda assim um decréscimo em relação às mais de 30 mil de quinta-feira, nove áreas metropolitanas do país passam ao sistema de recolher obrigatório, entre as 21h e as 06h da manhã.

Foi a última noite, das próximas pelo menos quatro semanas, em que se saiu, ainda que apenas até à meia-noite, momento em que a nova regra se impõe. Jean Castex, o primeiro-ministro francês, deixou alertas:

"__Estamos cientes de que a segunda vaga já chegou, que o número de pacientes está a aumentar, que o vírus é o mesmo, que não diminuiu de intensidade. Notámos - friso - que cada vez mais jovens estão a ser afetados pelo vírus o que mostra, claramente, que a mobilização deve ser geral e que ninguém, absolutamente ninguém, está seguro".

*Alemanha*

A Alemanha bateu um novo recorde diário de casos de COVID-19, com mais de 7.000 novas infeções. Mas o número de testes realizados aumentou também desde março. As autoridades endureceram as regras em relação ao uso de máscara e os bares estão a fechar mais cedo nos lugares onde há mais casos de infecções.

*Reino Unido*

No Reino Unido, o primeiro-ministro e o responsável pela região metropolitana de Manchester não chegaram a acordo. Boris Johnson diz que Andy Burnham e os seus colegas estão relutantes em colocar a região num nível de alerta mais elevado, enquanto diz que há mais 40% mais de pessoas nos cuidados intensivos do que no pico do primeiro bloqueio e garante que a situação vai piorar:

"Se se mantiver o rumo atual, em pouco mais de duas semanas haverá mais pacientes com COVID-19 nos cuidados intensivos do que no pico da primeira vaga. Portanto, exorto o presidente da câmara a reconsiderar e a envolver-se de forma construtiva", pediu Johnson.

O chefe do executivo britânico garante que intervirá para proteger os hospitais de Manchester se não for alcançado um acordo. Enquanto em Lancashire vai passar-se para o nível mais elevado de alerta.