Última hora
This content is not available in your region

Alemanha livre de nuclear e carvão em duas décadas

euronews_icons_loading
Alemanha livre de nuclear e carvão em duas décadas
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Passaram quase 35 anos desde que esta central nuclear começou a funcionar em Hamburgo, na Alemanha. Mas essa é uma realidade que está prestes a mudar. A 31 de dezembro, a central vai ser retirada da rede e desativada. A medida faz parte de um plano do governo para parar toda a produção nuclear até 2022.

Em Brokdorf, onde foi contruída, vivem cerca de mil habitantes. Ao longo dos anos, todos se foram habituando a vê-la como um dos maiores empregadores da região.

Agora, o futuro levanta muitas dúvidas. A autarca local, Elke Göttsche, teme a subida do desemprego. "Onde é que as nossas crianças vão arranjar trabalho, mais tarde? É um problema", lamenta.

Na localidade, uma angariação de fundos vai permitir manter o funcionamento do rinque de patinagem, um espaço de lazer que durante anos foi financiado pelos impostos cobrados à central.

Os recursos, no entanto, estão a esgotar-se.

O contraste é gritante quando comparado com o abandono do carvão, outrora uma das fontes energéticas mais importantes do país. Na altura, o governo alemão prometeu 40 mil milhões de euros em ajudas para as regiões mineiras.

Elke Göttsche lembra-se dessa altura e exige o mesmo para a sua autarquia. "Investiram milhões no fim do carvão. Agora, o governo também devia dar apoios para o fim da energia nuclear".

O carvão e as renováveis

Um pouco mais a sul, o carvão ainda é a principal fonte energética. Estima-se que, por exemplo, a central de Moorburg esteja operacional até 2038, ano em que todas as centrais de carvão do país vão ter de estar encerradas.

Algumas vozes críticas alegam ser impossível o país abandonar o carvão e a energia nuclear ao mesmo tempo.

No entanto, para Manfred Braasch, diretor da ONG internacional Friends of the Earth, a mudança é necessária.

"Nem o carvão, nem a energia nuclear têm futuro. É por isso que precisamos de mudar a produção de energia na Alemanha e na Europa", defende.

O plano é preencher o vazio deixado pelas energias tradicionais com as energias renováveis, como a eólica ou a solar.

Em 2019, a quota de produção líquida de eletricidade com fontes renováveis chegou aos 46%, ultrapassando pela primeira veis os combustíveis fósseis.

Mas com novas regras a restringir a localização de campos de energia eólica, todo o plano de transição energética pode estar comprometido.

Angela Merkel decidiu, após o desastre de Fukushima em 2011, estabelecer um prazo para o fim da energia nuclear na Alemanha. O sucesso dessa medida não vai ser avaliado em 2022, quando a última central nuclear fechar, mas sim em 2038, depois de a última centra de carvão ser encerrada. Será então que a Alemanha poderá avaliar se de facto as energias renováveis vão preencher a lacuna deixada pelas energias nuclear e do carvão.