Última hora
This content is not available in your region

Apoio do Papa à união de homossexuais entre o aplauso e a surpresa

euronews_icons_loading
Apoio do Papa à união de homossexuais entre o aplauso e a surpresa
Direitos de autor  Gregorio Borgia/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

O Papa Francisco já tinha aberto a porta da Igreja aos homossexuais, agora põe na mesa o direito a constituírem família. A declaração faz parte de um documentário sobre o Papa que se estreou no Festival de Cinema de Roma.

Palavras que causaram surpresa nos setores mais conservadores, mas que receberam aplausos em todo o mundo. Antonio Guterres, UN Secretary General

Esta é uma demonstração clara de um princípio fundamental, que é o princípio da não discriminação
António Guterres
Secretário-geral da ONU

Francis DeBernardo, diretor da New Ways Ministry, uma organização norte-americana de apoio a católicos da comunidade LGBT, diz manifesta-se surpreendido de uma forma muito positiva. "Não esperaria uma declaração destas de um Papa nas próximas duas gerações pelo menos," afirma.

Os homossexuais têm o direito a pertencer a uma família. São filhos de Deus e têm direito a uma família.
(...)
Temos de criar uma lei de união civil. Assim beneficiam de proteção legal.
Papa Francisco

Ao defender o direito a constituir família, Francisco mantém a figura do casamento reservada às uniões entre um homem e uma mulher. No caso dos homossexuais, diz que é preciso criar uma união civil para proteger legalmente as relações entre pessoas do mesmo sexo.

As palavras de Francisco no documentário não chegam para mudar a doutrina da Igreja e nem todos os católicos as aceitaram sem reservas. A posição oficial da Igreja Católica sobre esta matéria foi fixada no tempo de João paulo II. Define as relações homossexuais como estando contra a lei moral natural.