França anuncia desconfinamento progressivo

França anuncia desconfinamento progressivo
Direitos de autor Thibault Camus/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bares e restaurantes continuam fechados, mas lojas em França vão poder abrir a partir des sábado. Portugal ultrapassou 4000 mortos devido à Covid-19

PUBLICIDADE

Se os franceses vão continuar a não poder frequentar bares, cafés e restaurantes, pelo menos poderão, a partir de sábado, fazer as compras de Natal em direto nas lojas do país.

O presidente Emmanuel Macron anunciou esta noite as etapas de um desconfinamento progressivo, face à evolução positiva do número de casos de coronavírus em França.

O fim do confinamento, propriamente dito, será a 15 de dezembro, data a partir da qual voltará no entanto a entrar em vigor um recolher obrigatório, das 21h às 7h da manhã. 

Fora desse horário, os residentes em França poderão voltar a mover-se livremente pelo território.

O setor da restauração terá de esperar no entanto até 20 de janeiro para voltar a funcionar. Macron disse que a campanha de vacinação contra a Covid-19 começará "no fim de dezembro, início de janeiro".

O Reino Unido registou esta terça-feira 608 mortes devido à pandemia, o valor diário mais elevado desde maio, mas o número de contágios continua a descer. 

A partir de 15 de dezembro, quem chega ao país deixará de ter de cumprir uma quarentena completa, se passados cinco dias obtiver um teste negativo ao coronavírus.

Já na Suécia, que tinha mantido durante a pandemia uma política pouco restritiva, o governo faz inversão de marcha face ao crescente número de contágios, avançando nomeadamente com uma limitação para oito do número de pessoas que se podem reunir em locais públicos.

Com 853 mortes registadas nas últimas 24 horas, Itália ultrapassou esta terça-feira as 50.000 vítimas mortais em consequência da pandemia.

Portugal ultrapassou os 4000 mortos devido à Covid-19, mas os novos casos de infeção descem há oito dias consecutivos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Universitários franceses recusam ser "a geração sacrificada"

Pequenas empresas franceses à beira do colapso

"Estado da União": Vacinas e viagens, esperanças e receios