Última hora
This content is not available in your region

Travão na lei de segurança interna em França

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro com Agências
euronews_icons_loading
Travão na lei de segurança interna em França
Direitos de autor  Francois Mori/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Devolvido ao legislador. O polémico artigo 24 da lei geral de segurança interna em França vai ser reescrito. O artigo proibia a captação e divulgação de imagens das forças políciais em ação. Imagens como as que foram captadas por uma câmara de vigilância e mostram quatro agentes da autoridade a agredir Michel Zecler, um músico negro, num estúdio em Paris.

MICHEL ZECLER / GS GROUP
CortesiaMICHEL ZECLER / GS GROUP

O vídeo foi divulgado na semana passada e desencadeou uma série de manifestações por toda a França. Milhares de pessoas que questionavam a intenção da lei por colidir com a liberdade de imprensa e poder travar a denúncia de casos de abusos de autoridade.

Christophe Castaner, antigo ministro do Interior e atual líder da bancada parlamentar do partido de Emmanuel Macron, vem agora prometer que o artigo vai ser completamente reescrito e que a intenção da lei será clarificada.

O presidente francês reagiu às imagens do ataque ao músico - considerando a atitude dos polícias inaceitável e vergonhosa; mas também reagiu de forma crítica à maneira como o governo, e em particular o ministro do Interior, lidou com a legislação.

Gérald Darmanin defendeu-se perante a comissão parlamentar e tentou a todo ocusto evitar a retirada total do projeto. "Não tenho uma fixação por números, mas tenho a fixação de proteger a polícia e a guarda. A proteção da polícia e a proteção da liberdade de imprensa não estão em competição, são complementares. Não há vitória de uma contra a outra; nem vitória de uma sem a outra,” afirmou no parlamento.

A polémica legislação correu mundo, sobretudo depois dos protestos deste fim-de-semana em França. Manifestações que estão entre as maiores e mais violentas da história recente do país.