Última hora
This content is not available in your region

Balanço de mortos e deslocados pelo sismo agrava-se

De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Equipas de busca retiram dos escombros mais uma vítima do sismo na Indonésia
Equipas de busca retiram dos escombros mais uma vítima do sismo na Indonésia   -   Direitos de autor  AP Photo/Bamu Saseno
Tamanho do texto Aa Aa

Subiu para 56 o número de mortos confirmados, vítimas do terramoto de magnitude 6.2 ocorrido quinta-feira na ilha de Celebes (Sulawesi, no idioma local), na Indonésia.

A gravidade de danos ainda está a ser apurada pelas autoridades, que mantêm as operações de busca e resgate de eventuais sobreviventes ainda soterrados nos escombros.

Este sábado decorreram já os primeiros funerais de vítimas desta tragédia, mais uma a assolar a Indonésia neste início de 2021 depois da queda de um avião no Mar de Java há uma semana com 62 pessoas a bordo e do pior dia da pandemia no arquipélago registado esta sexta-feira.

Em pleno combate contra a Covid-19, pelo menos um hospital foi arrasado pelo sismo, na região de Mamuju, uma cidade de 110 mil habitantes no ocidente da ilha.

Deslocados aumentam

As autoridades indonésias improvisaram diversos abrigos para albergar os cerca de 15 mil deslocados pela tragédia, mas este número continua a aumentar perante a ocorrência de réplicas, quase 50 em dois dias, incluindo uma no sábado de magnitude 5.0.

O centro de monitorização de desastres da Indonésia emitiu um alerta para eventuais réplicas ainda mais potentes que o terramoto de quinta-feira, embora sem ameaça de tsunami, mas o medo está a levar muitas mais pessoas a fugir de casa e procurar refúgio nos abrigos improvisados.

A situação sanitária está a agravar-se rapidamente nestes locais, onde os deslocados têm vindo também a ser separados em grupos de baixo e alto risco por causa da Covid-19.

Os centros de abrigo começam a ficar sem alimentos nem condições para tanta procura, o que levou as autoridades a enviar para a região, no sábado, um camião carregado de alimentos, medicamentos e mais umas dezenas de tendas.

A somar à pressão provocada pela pandemia, os hospitais da região estão também completamente saturados de doentes "não Covid", com a admissão de centenas de feridos, vítimas do sismo.

Outras fontes • JawaPos, Kompas e Jakarta Post