Última hora
This content is not available in your region

Navalny apela aos russos que " protestem na rua"

euronews_icons_loading
Navalny apela aos russos que " protestem na rua"
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Alexei Navalny fica em prisão preventiva durante, pelo menos até 15 de fevereiro. Uma decisão tomada por um tribunal russo e anunciada pelo seu advogado.

Foi em Berlim que o líder da oposição russa anunciou o regresso ao seu país natal. Afirmava-se inocente pelo que que não havia motivo para a detenção.

Mas as autoridades russas acusam-no de violar os termos de uma pena de prisão suspensa a que tinha sido condenado em 2014.

Tinha sido condenado, nesse ano, ele o seu irmão Oleg, a três anos de prisão por desvio de fundos, 30 milhões de rublos, cerca de 400 mil euros, de duas empresas, uma delas filial da francesa Yves Rocher.

Navalny, e já depois de ser preso e de saber que não sairia, afirmou ter visto, na justiça russa, uma "série de disparates. Parece que o avô que está no bunker", falando de Vladimir Putin, "tem tanto medo de tudo que rasgaram e deitaram fora, simplesmente, o Código de Processo Penal. O que está a acontecer aqui é, simplesmente, impossível de acontecer".

O opositor russo regressou ao seu país vindo da Alemanha onde esteve a recuperar, durante seis meses, de um envenenamento. Diz a Organização para a Proibição de Armas químicas que foi usado um químico do mesmo tipo que o letal Novichok, usado apenas pelos russos.

A euronews acompanhou a viagem, mas o político não chegou a passar o controlo de fronteiras de um aeroporto moscovita, foi aí detido.

Uma analista político, Andrei Kolesnikov, explica que o objetivo é enviar uma mensagem: "Não balance o barco, não se mexa, fique quieto, e está tudo sob controlo, se protestar ou fizer greve, prendemo-lo." Com estas ações transformam-no num político ao nível de um académico Andrei Sakharov", afirmou o perito.

À sua espera, no aeroporto, estava um grupo de apoiantes, dezenas deles acabaram detidos. Vários voos foram desviados para outro aeroporto.

Nato, UE, EUA, Alemanha, Reino Unido e Portugal, estão entre os que pedem a libertação imediata de Alexei Navalny o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, considera inaceitável a sua detenção.

Já Navalny apela agora às massas para que protestem, afirmando que é isso que temem as autoridades russas e, em particular o chefe de Estado.

"Não tenham medo, saiam para nas ruas, não o façam por mim, mas por você e pelo vosso futuro", pediu Navalny nas redes sociais.