Última hora
This content is not available in your region

Europa decide manter fronteiras abertas apesar da pandemia

De  Euronews
euronews_icons_loading
Europa decide manter fronteiras abertas apesar da pandemia
Direitos de autor  Eranga Jayawardena/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

No meio da crise pandémica, há um consenso europeu para evitar o caos fronteiriço da primeira vaga de Covid-19. Mas a vigilância é para manter. Na cimeira desta quinta-feira, os líderes europeus decidiram manter o espaço europeu interno aberto, o espaço Schengen a funcionar.

Tudo aponta para mais testes e quarentenas nas chegadas.

Ursula von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia, explicou que "Tendo em conta a muito grave situação de saúde, todas as viagens não essenciais deverão ser seriamente evitadas, tanto no país como para lá das fronteiras. Ao mesmo tempo, é absolutamente importante manter o mercado único em funcionamento. Por isso, no que diz respeito a trabalhadores e mercadorias, eles têm que cruzar fronteiras de forma suave. Isto é muito importante (...) Sobre as fronteiras externas nós também vamos ter que implementar medidas de segurança

Outro tópico discutido pelos lideres europeus foi a estratégia de vacinação, alguns líderes demonstraram ansiedade pelos atrasos das empresas farmacêuticas.

Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, diz que "os líderes querem que a vacinação seja acelerada e, sobre isso, os compromissos das empresas, no fornecimento, têm que ser respeitados. E ficou reafirmado que as vacinas devem ser distribuídas ao mesmo tempo e têm que ter em conta a população. Também reafirmámos a necessidade de acompanhar de perto o processo de vacinação. Todas as vias serão examinadas para garantir um fornecimento rápido, incluindo a distribuição antecipada para evitar atrasos".

A proposta mais controversa sobre a vacinação surgiu de um grupo de países e consiste na criação de um sistema de corredores prioritários de viagem para a vacinação. Afirmam que pode acelerar a recuperação económica mas os críticos pensam que isso pode resultar em discriminação.