Última hora
This content is not available in your region

Eleições Legislativas num Kosovo à procura da estabilidade política

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Eleições Legislativas num Kosovo à procura da estabilidade política
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Este domingo, 1,8 milhões de eleitores do Kosovo vão escolher os membros do novo parlamento. As sondagens dão vitória à Autodeterminação (Vetëvendosje), liderada por Albin Kurti.

Kurti, que tem também o apoio da presidente em exercício, Vjosa Osmani, apelou aos eleitores: "É um momento de referendo. No próximo dia 14 de fevereiro vão decidir por um futuro mais brilhante, onde Vjosa como presidente e eu como primeiro-ministro seremos responsáveis, devotados e vos serviremos". Confia em Vjosa e confia em mim".

Os outros líderes partidários tentam também o tudo por tudo. O líder do Partido Democrático, Enver Hoxhaj, diz que ele é o único sério candidato a ser primeiro-ministro na segunda-feira, já que os outros nem sequer deviam estar na lista. "Presumo que saibam que eles nem sequer deviam ser candidatos", afirma num comício de campanha.

A Liga Democrática do Kosovo estave no poder até junho passado, altura em foi derrubada pelo Tribunal Constitucional, mas ainda tem grandes expectativas de vencer esta eleição.

O primeiro-ministro em exercício, Avdullah Hoti, diz que espera que a Liga seja confirmada como primeiro partido do Kosovo com uma maioria esmagadora e afirma que as verdadeiras sondagens são no domingo quando o povo votar.

Os principais desafios do novo governo são a corrupção, as dificuldades económicas criadas pela pandemia e o diálogo com a Sérvia.

Jeta Xharra. Diretora Executiva da Rede de Investigação Jornalística dos Balcãs (BIRN), deixa aviso aos novos líderes: "A população local do Kosovo espera do próximo governo, após estas eleições, que se ocupe principalmente da corrupção. Na cena internacional espera-se que esta nova elite que irá tomar o poder após 14 de fevereiro faça um acordo final, assine um acordo final com a Sérvia".

Uma das primeiras missões do novo parlamento será a eleição do próximo presidente. Espera-se que essa eleição ajude a alinhar as forças da coligação governamental.

Ramush Haradinaj, líder da Aliança para o Futuro do Kosovo diz que é preciso salvaguardar o equilíbrio de poder: "Vamos salvaguardar a nossa democracia parlamentar, a separação de poderes: legislativo, judicial, executivo e mesmo presidencial", diz.

O antigo Primeiro-Ministro, Albin Kurti, que chefiou o governo após as eleições de outubro de 2019, está confiante na escolha dos kosovares, mas precisa de ter em mente que o seu governo só durou 51 dias foi derrubado numa moção de desconfiança na parlamento.

Qualquer que seja o resultado do escrutínio, 2021 marca a verdadeira mudança no Kosovo. Pela primeira vez não há antigos senhores da guerra na corrida. É às novas elites que caberá assumir os destinos deste pequeno país dos balcãs.