EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Covid-19: Bibliotecas de Budapeste espalharam-se pela cidade

Covid-19: Bibliotecas de Budapeste espalharam-se pela cidade
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Obrigadas a encerrar por causa da pandemia, as bibliotecas de Budapeste espalharam pontos de trocas de livros pela cidade para servirem os leitores

PUBLICIDADE

As bibliotecas húngaras estão fechadas há 4 meses por causa da pandemia, mas algumas delas encontraram formas inteligentes de servir os seus leitores. A maior biblioteca de Budapeste introduziu pontos de troca na cidade que rapidamente se tornaram populares. Como não podem entrar no edifício, os leitores levantam os livros à porta.

Ferenc Farkas, responsável do Departamento de Leitura da Biblioteca Metropolitana de Budapeste fala da experiência: "Desde quarta-feira, 5500 pessoas levaram um livro, inscreveram-se para a adesão ou renovaram o seu aluguer nos pontos de troca. Damos as boas-vindas aos nossos leitores em 44 locais diferentes em Budapeste, e não apenas na biblioteca central".

Os leitores têm de reservar os livros com antecedência. Após a sua devolução, cada livro vai para uma quarentena de 72 horas. Para alguns, este serviço é apenas entretenimento. Outros dependem das bibliotecas para o trabalho ou para os estudos.

"Estou a escrever a minha tese, por isso fiquei muito feliz quando finalmente ouvi falar desta oportunidade. Tenho um tema que não é realmente acessível em bases de dados em linha", testemunha uma jovem.

Em 2019 a biblioteca contava 280 mil membros. O edifício central chegava a acolher 5 mil pessoas por dia. Este novo método é uma melhoria, mas alguns serviços ainda não estão disponíveis devido às restrições por causa da propagação do vírus.

Ádám Magyar é o repórter da Euronews em Budapeste: "Há mais de 3 milhões de documentos na biblioteca, mas há cerca de uma milhão que só é acessível no interior do edifício. Esses estarão disponíveis quando a biblioteca puder finalmente abrir os seus portões".

A Biblioteca Nacional de Literatura Estrangeira introduziu um serviço semelhante em novembro. Frequentada por estudantes e investigadores de Humanidades, a biblioteca tem livros em quase 160 línguas.

A diretora, Anna Mária Papp fala das reações dos leitores: "Temos um feedback muito positivo das pessoas que vêm aqui, e até recebemos uma carta de agradecimento por este serviço. Essa pessoa recebeu o livro que realmente queria receber".

A bela sala de leitura da biblioteca ainda está completamente vazia, mas Budapeste espera que esta situação possa mudar em breve.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Televisão pública húngara emite debate político pela primeira vez em 18 anos

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán

Opositor de Orbán mobiliza milhares em manifestação anti-governo