Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Bibliotecas de Budapeste espalharam-se pela cidade

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Covid-19: Bibliotecas de Budapeste espalharam-se pela cidade
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

As bibliotecas húngaras estão fechadas há 4 meses por causa da pandemia, mas algumas delas encontraram formas inteligentes de servir os seus leitores. A maior biblioteca de Budapeste introduziu pontos de troca na cidade que rapidamente se tornaram populares. Como não podem entrar no edifício, os leitores levantam os livros à porta.

Ferenc Farkas, responsável do Departamento de Leitura da Biblioteca Metropolitana de Budapeste fala da experiência: "Desde quarta-feira, 5500 pessoas levaram um livro, inscreveram-se para a adesão ou renovaram o seu aluguer nos pontos de troca. Damos as boas-vindas aos nossos leitores em 44 locais diferentes em Budapeste, e não apenas na biblioteca central".

Os leitores têm de reservar os livros com antecedência. Após a sua devolução, cada livro vai para uma quarentena de 72 horas. Para alguns, este serviço é apenas entretenimento. Outros dependem das bibliotecas para o trabalho ou para os estudos.

"Estou a escrever a minha tese, por isso fiquei muito feliz quando finalmente ouvi falar desta oportunidade. Tenho um tema que não é realmente acessível em bases de dados em linha", testemunha uma jovem.

Em 2019 a biblioteca contava 280 mil membros. O edifício central chegava a acolher 5 mil pessoas por dia. Este novo método é uma melhoria, mas alguns serviços ainda não estão disponíveis devido às restrições por causa da propagação do vírus.

Ádám Magyar é o repórter da Euronews em Budapeste: "Há mais de 3 milhões de documentos na biblioteca, mas há cerca de uma milhão que só é acessível no interior do edifício. Esses estarão disponíveis quando a biblioteca puder finalmente abrir os seus portões".

A Biblioteca Nacional de Literatura Estrangeira introduziu um serviço semelhante em novembro. Frequentada por estudantes e investigadores de Humanidades, a biblioteca tem livros em quase 160 línguas.

A diretora, Anna Mária Papp fala das reações dos leitores: "Temos um feedback muito positivo das pessoas que vêm aqui, e até recebemos uma carta de agradecimento por este serviço. Essa pessoa recebeu o livro que realmente queria receber".

A bela sala de leitura da biblioteca ainda está completamente vazia, mas Budapeste espera que esta situação possa mudar em breve.