Última hora
This content is not available in your region

Países europeus dividem-se entre confinamento e alívio de medidas

De  euronews
euronews_icons_loading
Países europeus dividem-se entre confinamento e alívio de medidas
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

A polícia e o exército montaram 500 postos de controlo na República Checa, para impedir deslocações que não sejam necessárias. O país entrou esta segunda-feira em confinamento. Todas as lojas que não vendam produtos essenciais foram encerradas.

O Governo finlandês declarou, esta segunda-feira, o estado de emergência, numa altura em que prepara medidas mais duras para abrandar a propagação da Covid-19. A partir de 8 de março, fecham escolas, assim como restaurantes e bares.

"O encerramento temporário de empresas que servem comida e bebidas tem como objetivo desacelerar a epidemia, juntamente com outras medidas acordadas. A situação sanitária é má e está a deteriorar-se. Portanto, o governo acredita que é essencial reduzir o contacto físico através das medidas atuais", justificou a primeira-ministra da Finlândia, Sanna Marin.

Na Alemanha, os cabeleireiros voltaram a reabrir esta segunda-feira, depois de dois meses encerrados. Alguns estados alemães também permitiram que empresas como floristas e lojas de bricolagem reabrissem esta semana. Restaurantes e bares estão encerrados desde o dia 2 de novembro, enquanto os hotéis só podem receber cidadãos que viajem em trabalho.

A Dinamarca levantou algumas restrições, permitindo a reabertura de pequenos negócios, incluindo lojas. Mas os cabeleireiros permanecem encerrados e com exceção das crianças do ensino básico, os alunos continuam a estudar em casa.

Em Itália, há agora uma "zona branca", a Sardenha, que durante três semanas consecutivas teve menos de 50 novos casos de Covid-19 por 100 mil habitantes. Desde esta segunda-feira, os restaurantes também abrem à noite, e cinemas, teatros, ginásios a piscinas voltam a funcionar.