Última hora
This content is not available in your region

BAFTA sob o signo da diversidade

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro com Lusa
euronews_icons_loading
BAFTA sob o signo da diversidade
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Academia britânica de cinema e televisão não sacudiu a chuva de críticas que recebeu há um ano; reviu a forma como escolhe filmes para os BAFTA e apresentou esta segunda-feira as nomeações da edição deste ano como prova da revolução. realizadores vindos dos quatro cantos do mundo e 21 atores que se estreiam como nomeados.

A diretora-executiva dos BAFTA lembra que face à "falta de diversidade" das nomeações do ano passado, a organização anunciou que iriam "fazer uma reflexão". Amanda Berry revela que o "processo durou sete meses", numa "consulta abrangente" que encolveu "centenas de pessoas". Diz que "daí resultaram 120 mudanças que fizemos em toda a organização".

"Nomadland - Sobreviver na América" na pole position

O filme de Chloé Zao, é o favorito para o prémio maior. Tem sete nomeações, incluindo melhor filme e melhor realizadora - categoria que tem o maior número de mulheres de sempre: três em seis.

"Nomadland - Sobreviver na América", terceira longa-metragem de Chloé Zhao, acompanha Fern (a atriz Frances McDormand), uma mulher que decide abandonar a vida convencional na cidade, atingida por uma crise económica, para ser nómada, numa carrinha.

O filme, que obteve os Globos de Ouro de melhor drama e melhor realização, está indicado ainda para os BAFTA de melhor fotografia, argumento adaptado e atriz principal, entre outros.

Sarah Gavron está indicada para o BAFTA de Melhor Realização, mas "Rocks" não está na categoria de Melhor Filme. Foi selecionado para a categoria de Melhor Filme Britânico.

"Rocks" é um drama sobre uma adolescente que passa a viver na rua com o irmão mais novo, depois de ambos terem sido abandonados pela mãe.

No ano passado, a academia britânica foi criticada por só ter nomeado homens para a categoria de Melhor Realização e por ter deixado de fora atores e atrizes negras nos prémios de representação, admitindo na altura a falta de diversidade, aparentemente colmatada este ano.

A cerimónia dos BAFTA deveria ter acontecido em fevereiro, mas foi empurrada para abril por causa da covid-19, seguindo a decisão tomada pela academia dos Óscares, que adiou a entrega para finais de abril.

O anúncio dos BAFTA acontecerá apenas online, a partir do Royal Albert Hall, em Londres, em dois momentos, no fim de semana de 10 e 11 de abril.