EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Diálogo e repartição da riqueza em Cafunfo

Jornadas sobre Cidadania e Segurança
Jornadas sobre Cidadania e Segurança Direitos de autor AMPE ROGÉRIO/ 2021 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Direitos de autor AMPE ROGÉRIO/ 2021 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
De  Neusa SilvaJoão Peseiro Monteiro com Lusa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As Jornadas sobre Cidadania e Segurança, em Cafunfo, juntou sociedade civil, autoridades tradicionais e estatais. Os participantes abordaram a situação na localidade angolana da região diamantífera da Lunda Norte.

PUBLICIDADE

O estatuto político-administrativo da vila mineira de Cafunfo e os fatores que incitam de forma recorrente confrontos entre a população e as autoridades estiveram em análise esta terça e quarta-feira na província angolana da Lunda Norte. O Centro de Estudos para a Boa Governação - UFOLO, juntou os intervenientes do incidente ocorrido no dia 30 de janeiro que culminou com a morte de, pelo menos, seis pessoas.

O governador provincial da Lunda Norte, Ernesto Muangala, prometeu aos presentes melhorias nos serviços prestados, dizendo mesmo já haver verbas para o efeito. Mas recordou igualmente o princípio da solidariedade nacional:

"As riquezas de Angola servem para satisfazer as necessidades financeiras do Estado e outras entidades públicas, assegurar a realização da política económica e Social do Estado e proceder a uma justa repartição dos rendimentos e da riqueza nacional. (...) O estado atual de desenvolvimento socioeconómico da província da Lunda Norte não pode ser dissociado do contexto nacional."

A maior autoridade tradicional da região, Muathissegue Wa Tembo, disse que a exploração diamantífera representa para a população local a destruição das suas aldeias, de lavras e o desvio de rios sem qualquer respeito pelo meio ambiente:

"Queremos uma mudança através do diálogo. Esse diálogo rumo à riqueza dos diamantes, acessível a toda a população que aqui proponho hoje. Lanço o desafio às autoridades do Estado, às companhias de diamantes, a toda a comunidade das Lundas para desenhar um novo modelo de desenvolvimento local."

Rafael Marques, promotor das Jornadas Sobre Cidadania e Segurança que decorreram na vila mineira de Cafunfo, é da opinião que uma definição político-administrativa promoveria o diálogo construtivo entre a população e o governo local:

"Cafunfo tem mais de 175 mil habitantes e não tem uma definição político-administrativa. Não é bairro, não é distrito, não é comuna, não é município. E como tal, a principal instituição do Estado nesta localidade é a esquadra policial, que tem muito poucos efectivos, e por conta disso, qualquer situação que ocorra aqui em Cafunfo é da responsabilidade primária da Polícia Nacional. E não deve ser assim!"

É daqui que são extraídos anualmente cerca de oito milhões de quilates de diamantes por ano que fazem de Angola um dos maiores exploradores de diamantes a nível mundial. Números que, segundo as autoridades tradicionais e sociedade civil, não se refletem na melhoria das condições de vida da população local.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar novos protestos no Quénia

Parlamento do Quénia é incendiado durante manifestações

Quénia: parte do parlamento em chamas após invasão de manifestantes