Última hora
This content is not available in your region

Putin sugere encontro "online" com Biden

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Putin sugere encontro "online" com Biden
Direitos de autor  Alexander Zemlianichenko/Copyright 2011 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Vladimir Putin está disponível para dialogar com Joe Biden a qualquer momento. A sugestão do presidente Russo surgiu no final de um concerto em Moscovo para assinalar a anexação da Crimeia e na sequência de o presidente norte-americano o ter qualificado de "assassino".

"Quero convidar o Presidente Biden para continuarmos as nossas discussões mas na condição de fazer isto ao vivo, online, sem qualquer atraso, através de uma discussão aberta e direta", disse Putin.

Um tom mais construtivo em relação ao usado na resposta inicial, quando fez referência a acontecimentos sangrentos da história dos Estados Unidos para qualificar Biden. "Nós sempre vemos na outra pessoa as nossas próprias característica e penso que ele é igual a nós", declarou.

Por seu lado, a porta-voz da Casa Branca confirmou que Biden não recua na afirmação de que Putin é um "assassino" mas revelou que também está aberto ao diálogo.

Os dois estão na cena global há muito tempo, trabalharam e interagiram na relação entre os Estados Unidos e a Rússia. E ele (Biden) acredita que é possível continuar a fazer isso
Jen Psaki
Porta-voz da Casa Branca

À pergunta de um jornalista sobre se "Presidente Biden arrepende-se ter chamado Putin de assassino", Jen Psaki respondeu de forma clara. "Não. O presidente responde de forma direta a uma pergunta direta". O presidente Biden conhece o Presidente Putin há muito tempo. Os dois estão na cena global há muito tempo, trabalharam e interagiram na relação entre os Estados Unidos e a Rússia. E ele acredita que é possível continuar a fazer isso", explicou a porta-voz da Casa Branca.

Entre os vários assuntos que a Rússia e os Estados Unidos têm de discutir, está por exemplo o novo formato do Tratado de Redução de Armas Estratégicas, estendido em fevereiro por mais cinco anos.