Última hora
This content is not available in your region

Novas acusações contra Aung San Suu Kyi

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Novas acusações contra Aung San Suu Kyi
Direitos de autor  Kirsty Wigglesworth/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de pessoas desafiaram, esta segunda-feira, a junta militar que está no poder no Myanmar e protestaram contra o golpe de fevereiro que derrubou o Governo liderado por Aung San Suu Kyi.

Os manifestantes expressaram o apoio à Prémio Nobel da Paz, que enfrenta agora novas acusações. Suu Kyi foi acusada de violar uma lei destinada a controlar a propagação do novo coronavírus no país. Ela enfrenta, também, acusações de importação ilegal de walkie-talkies e incitação à desordem pública.

A líder birmanesa, que não era vista em público desde que foi detida no dia um de fevereiro, apareceu, esta segunda-feira, em tribunal por videoconferência e, segundo o advogado Khin Maung Zaw, encontra-se bem de saúde.

A junta militar impôs fortes restrições ao acesso à internet, culminando num encerramento quase total desde o início de abril.

Os contestatários foram obrigados a recorrer a meios mais tradicionais, como o boletim "Molotov", para difundirem as informações.

"Mesmo que um de nós seja preso, há jovens que continuarão a produzir o boletim informativo Molotov. Mesmo que um de nós seja morto, aparecerá outra pessoa quando alguém cair. Este boletim informativo 'Molotov' continuará a existir até que a revolução seja bem-sucedida", afirma o editor do "Molotov" Lynn Thant (nome fictício).

A junta militar tem reprimido violentamente toda a oposição. Desde 01 de fevereiro, mais de 3000 mil pessoas, onde se incluem jornalistas e celebridades, foram detidas. Segundo a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos, mais de 700 pessoas morreram nos protestos.