Última hora
This content is not available in your region

CoE alerta que pandemia faz aumentar riscos de corrupção

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva
euronews_icons_loading
CoE alerta que pandemia faz aumentar riscos de corrupção
Direitos de autor  Images
Tamanho do texto Aa Aa

Os governos devem intensificar as medidas para prevenir os riscos crescentes de corrupção decorrentes da Covid-19, alertou o Grupo de Estados contra a Corrupção (GRECO) órgão anticorrupção do Conselho da Europa (CoE), em Estrasburgo, que publicou, quinta-feira, o relatório de 2020.

As injeções de capital através de fundos europeus e empréstimos, para enfrentar o impacto económico da pandemia, são uma tentação e o presidente do GRECO, Marin Mrčela, disse à euronews que mecanismos de transparência, supervisão e responsabilidade têm que ser melhor implementados.

“Quando há grandes somas de dinheiro a serem desembolsadas rapidamente, concursos públicos em grande escala, número insuficiente de vacinas e novidades, como a que foi apresentada há alguma semanas sobre o certificados de vacinação, é muito importante ter aqueles três critérios em mente”, explicou Marin Mrčela.

40% de implementação de recomendações

O relatório de 2020 revela que apenas cerca de 40% das recomendações do GRECO foram implementadas pelos Estados-membros para prevenir crimes de corrupção envolvendo procuradores, juízes e membros do parlamento.

Marin Mrčela lembrou que em alguns Estados-membros existem "tentativas conspícuas" por parte dos poderes executivo ou legislativo para minar a independência do poder judicial.

“Penso que mencionamos os exemplos da Polónia, Hungria, Bulgária e Rússia e temos vários países onde o colégio do conselho judicial é composto por membros do executivo ou políticos. Nesses países precisa também a vontade política de investigar, processar e julgar casos", afirmou o presidente do GRECO.

O órgão considera "particularmente preocupante" que alguns governos não cooperem com relação a informações sobre leis de liberdade de informação, lóbi, conflito de interesses e passagem direta de pessoas do setor público para o setor privado.