Última hora
This content is not available in your region

Volodymyr Zelenskyy convida Vladimir Putin para encontro

De  euronews
euronews_icons_loading
Volodymyr Zelenskyy convida Vladimir Putin para encontro
Direitos de autor  Ian Langsdon/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, convidou Vladimir Putin para um encontro na região de Donbass. O líder ucraniano quer negociar com o homólogo russo um acordo que coloque fim ao conflito no leste da Ucrânia.

O convite surgiu na sequência de uma escalada dos confrontos entre o exército ucraniano e os separatistas pró-russos que controlam duas regiões do leste da Ucrânia.

"Uma vez o Presidente da Rússia disse: 'Se a luta é inevitável, então temos de atacar primeiro". Na minha opinião, hoje em dia, cada líder deve compreender que uma luta não pode ser inevitável quando se trata não de arruaceiros de rua, mas sim de uma guerra real e de milhões de vidas humanas; que todos perdem numa guerra. Sr. Putin, estou pronto para ir ainda mais longe e convidá-lo a encontrar-se em qualquer lugar da região ucraniana de Donbass, onde uma guerra está em curso", afirmou Zelenskyy.

Recentemente, imagens de satélite mostraram que a Rússia enviou centenas de veículos militares para vários locais situados ao longo da fronteira com a Ucrânia. Há dezenas de aviões de guerra estacionados em bases aéreas.

Moscovo culpa o ocidente, em especial os Estados Unidos da América e os membros da NATO, pelo escalar da tensão.

O ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, afirmou que "a situação político-militar na zona estratégica do sudoeste permanece tensa. Isto deve-se, em grande parte, a tentativas de vários Estados estrangeiros de aumentar a sua presença militar nas fronteiras meridional e ocidental da Rússia. A liderança militar e política da Ucrânia manteve o seu rumo destrutivo e procura desestabilizar a situação em Donbass".

Kiev assegura que não está a planear nenhuma ofensiva no leste do país. Estima-se que mais de 100.000 militares russos estejam distribuídos ao longo da fronteira, o que levou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, a pedir um maior apoio da comunidade internacional, encorajando os países ocidentais a agravarem as sanções económicas sobre a Rússia.