This content is not available in your region

A luta pela sobrevivência na zona do conflito separatista no leste da Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  Anelise Borges
euronews_icons_loading
A luta pela sobrevivência na zona do conflito separatista no leste da Ucrânia
Direitos de autor  Euronews

Oito anos de conflito tornaram a vida no leste da Ucrânia muito difícil. A maioria dos residentes partiu e deixou as casas destruídas e abandonadas. Os que ficaram dizem que foram esquecidos pelo governo.

Ronan Petrovski vive com a família num edifício de apartamentos à entrada da cidade de Avdiivka, na região de Donbass, uma das linhas de frente no início do conflito entre separatistas apoiados pela Rússia e o exército ucraniano. Esta semana, viu na televisão que o presidente francês prometeu uma ajuda de cerca de mil milhões de euros à Ucrânia. Uma promessa semelhante às que já foram feitas por outros líderes mundiais. Roman duvida que essa ajuda alguma vez chegue à sua família. “Durante todo este tempo de guerra, tudo o que recebemos foi uma pequena caixa da Cruz Vermelha. Para onde vai o dinheiro? Ninguém sabe. O que nos deram foi 5 metros de plástico para tapar buracos”, lamenta.

Antes de se tornar numa das principais zonas do conflito e de ser controlada, em grande parte, por separatistas pró-Rússia, a região de Donbass era uma potência industrial. Os números oficiais são escassos, mas os residentes dizem que o desemprego está generalizado e que os receios de uma guerra prejudicam a economia da região.

Esperança no futuro

Apesar de tudo, ainda há esperança de um futuro melhor para Avdiivka.

Max, Valeria, Vadim e Ilya formaram o grupo Metamorfoza. Sonham com grandes palcos e disco e não querem perder as raízes.

Ilya, o guitarrista, diz que agora a há muito poucos empregos que o setor do entretenimento ficou mais pobre. Mas acredita que tudo vai ficar bem e que os quatro amigos vão continuar a viver na cidade. “Mais cedo ou mais tarde, tudo será normal. E seremos capazes de viver aqui e florescer. Não apenas como seres humanos, mas como artistas”, diz Ilya.