Última hora
This content is not available in your region

As vantagens dos complexos intermodais de transportes

euronews_icons_loading
As vantagens dos complexos intermodais de transportes
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Após de dois anos de obras, a antiga estação de comboios de Gardanne, no sul de França, transformou-se num complexo intermodal que integra autocarros, bicicletas, comboios e táxis, além de um parque de estacionamento.

Gardanne é um eixo fundamental da rede de transportes públicos que liga Aix e Marselha, as duas principais cidades da maior área metropolitana do sul de França. A euronews falou com um passageiro que frequenta o local todos os dias.

“Este tipo de instalação é muito importante porque incentiva as pessoas a utilizar transportes menos poluentes. Principalmente em Marselha, quando se anda de carro, entre as sete e as 9h30 da manhã, há sempre engarrafamentos. Ficamos presos no trânsito três quartos de hora, o que causa poluição. É uma pena”, disse à euronews Daniel Domenicale.

Vida mais fácil para os passageiros

A estação rodoviária passou a ter nove plataformas em vez de seis. Há também 56 lugares de estacionamento seguros para bicicletas e a superfície de estacionamento para automóveis quase triplicou, para 352 lugares.

Está prevista a aquisição de novas carruagens menos poluentes. A frequência dos comboios deverá aumentar para um comboio a cada 15 minutos. "Agora, a circulação é muito mais fluida. Desde as obras, já não estou preocupada com os atrasos do comboio", afirmou Samira Berrekama, utilizadora frequente do comboio.

Houve obras no antigo parque de estacionamento para torná-lo mais prático e visível para os passageiros e condutores. “Desde que fizeram as obras, estamos mais visíveis e as pessoas usam o nosso serviço com mais frequência. Em relação aos autocarros, as coisas estão bem agora. É verdade que às vezes eles ficavam no mesmo local que nós mas agora têm uma plataforma própria”, afirmou o condutor de táxi Didier Cusimano.

Menos poluição

Os decisores públicos esperam duplicar o número de passageiros e promover uma abordagem mais ecológica dos transportes.

“Neste estacionamento, seis por cento dos lugares, 20 lugares, foram reservados para o carregamento de veículos elétricos em modo lento. O telhado está coberto com painéis solares. 80% da eletricidade é vendida ao operador histórico e 20% é para autoconsumo", disse à euronews Catherine Fabre, responsável de projetos operacionais da metrópole Aix-Marselha.

O apoio da política de coesão da UE

As obras custaram 11,56 milhões de euros. 27% do montante foi financiado pela política de coesão europeia. A França pagou os restantes 73%, repartidos entre o Estado, a região, o distrito e a área metropolitana. 2021 é o Ano Europeu da Ferrovia.