This content is not available in your region

A maior comunidade chinesa em Itália está a regressar à China

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
A maior comunidade chinesa em Itália está a regressar à China
Direitos de autor  Euronews

Em Prato, próximo de Florença, no centro de Itália, reside a maior comunidade chinesa do país. A imigração começou nos anos 80 do século XX, sempre em crescendo, graças a uma florescente indústria de vestuário onde os chineses são não só trabalhadores como também empresários.

Mas, a pandemia está a mudar os fluxos migratórios com muitos chineses a decidirem regressar à China.

Agora, a invulgar visão de lojas encerradas e cartazes com a inscrição "arrenda-se" na segunda maior Chinatown de Itália é a prova de que algo pode estar a mudar na demografia das cidades italianas.

Prato é um conhecido e ativo distrito de fabrico de vestuário, com 6000 fábricas chinesas e uma comunidade de 25 mil chineses, mas, desde Janeiro de 2020, está a despovoar-se. Parece que muitos decidiram regressar à China.

"A China tem mudado muito desde os anos 80 e 90. Tornou-se atrativa para os chineses no estrangeiro. O facto de terem conseguido ser muito eficientes na contenção da pandemia encorajou muitos a pensar em regressar à China como uma possibilidade concreta e real", afirma Marco Wong, conselheiro municipal de Prato.

O número de crianças chinesas nas escolas tem vindo a diminuir gradualmente desde o ano passado. Muitos pais decidiram enviar os filhos a estudarem para a China, devido à pandemia e porque estão cansados do ensino à distância em Itália.

O repórter da Euronews, Luca Palamara foi ao local constatar: "Algumas mudanças estão a ter lugar aqui em Prato. Pela primeira vez em três décadas há sinais de que a comunidade chinesa está a encolher, porque muitos dos que aqui viviam e trabalhavam há anos decidiram regressar à China até que a pandemia acabasse".

A tendência reflete-se também nos locais de culto, onde a frequência também diminuiu muito, como revela o secretário do templo budista Puhuasi: "Durante as nossas celebrações religiosas, somos apenas alguns, ao contrário de antes. Para vos dar um exemplo, no Dia do Ano Novo Chinês de 2019, tivemos 3.000 pessoas apenas para ouvir o som da campainha. Este ano, éramos apenas 20".

É demasiado cedo para dizer se a tendência do povo chinês de migrar de volta para seu país de origem será consistente e definitiva, mas, uma coisa é certa: A pandemia de Covid-19 está a mudar a demografia deste lugar no centro de Itália.