EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Parlamento francês aprova projeto de lei de bioética

Parlamento francês aprova projeto de lei de bioética
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Nara Madeira com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O parlamento francês aprovou um projeto de lei de bioética que permite a todas as mulheres a procriação medicamente assistida.

PUBLICIDADE

Apesar da polémica e das vozes que se levantaram contra, o parlamento francês aprovou o projeto de lei de bioética, que permite a procriação medicamente assistida a todas as mulheres.

Fabien Joly, porta voz da Associação francesa de Famílias Homoparentais, explica que "o governo escolheu criar um regime particular", a que chamam de "reconhecimento conjunto, trata-se de um mecanismo simples e muito protetor porque as duas mulheres no momento em que forem ao notário para consentir a doação, antes da procriação medicamente assistida, elas assinarão uma espécie de compromisso, no âmbito do qual, as duas se comprometem a assumir a maternidade da criança, a filiação da criança. Após o nascimento, a mulher que teve o bebé é considerada, legalmente, como a sua mãe, a outra mãe só precisará de apresentar o documento às autoridades competentes e a filiação será, automaticamente, estabelecida na lei francesa, sem precisar de iniciar um processo de adoção, como era o caso hoje, já que os casais de lésbicas iam fazer esta PMA ao estrangeiro".

Através das redes sociais esta organização não-governamental saudava "os bons progressos contidos no projeto de lei", ou seja, _"_a abertura do PAM, com doador terceiro, a casais de lésbicas e mulheres solteiras, e o reconhecimento do direito de acesso aos seus registos médicos e às suas origens para pessoas nascidas de doação", quando atingirem a maioridade.

Mas também a alteração que dará a "possibilidade de contactar antigos doadores para lhes perguntar se concordam comunicar a sua identidade, pondo fim a uma desigualdade que dura há várias décadas (...)".

Uma vitória para uns, uma derrota para outros. Há quem defendesse, entre os católicos franceses, que o debate deveria ter sido público e generalizado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Louise Brown, primeiro bebé-proveta do mundo: "Todas as mulheres europeias deveria ter acesso à Procriação Medicamente Assistida"

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Pelo menos dois guardas prisionais mortos em ataque a carrinha celular em França