Última hora
This content is not available in your region

Um século de BCG. Covid tira recursos à vacina que salvou milhões

De  Euronews
euronews_icons_loading
Cientista manipula vacina BCG
Cientista manipula vacina BCG   -   Direitos de autor  AP/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Há 100 anos um recém-nascido recebia pela primeira vez no mundo a vacina BCG. A imunização contra a tuberculose, que ganhou o nome das iniciais dos seus inventores, cientistas franceses Bilié de Calmette e Guérin, começou a ser feita a 18 de julho de 1921, tendo salvado milhões de vidas no último século.

A vacina protege contra a meningite tuberculosa e outras formas graves da doença, em bebés e crianças pequenas. Mas, apesar do êxito entre a população infantil, não é eficaz em adolescentes e adultos. os grupos populacionais mais propensos a propagar a tuberculose.

Todos os anos, a tuberculose mata mais de um milhão de pessoas em todo o mundo. Atualmente decorrem esforços para alargar o alcance da vacina, mas o progresso tem conhecido obstáculos, sobretudo com os recursos alocados ao combate à covid-19.

Lucica Ditiu, diretora-executiva da parceria de 1500 organizações internacionais "Stop TB Partnership", afirma que, em 2019, morreram "quase 1,5 milhões de pessoas com tuberculose" e alerta para os números de 2020, em que se estima que "a tuberculose tenha matado o mesmo número de pessoas que a covid, globalmente, num ano".

Com a covid-19, "o financiamento limitado que se destinava à tuberculose, incluindo os ensaios clínicos em curso para uma vacina contra a tuberculose, diminuiu, reduziu, parou", lamenta a especialista.

Em Portugal, a toma da BCG deixou de ser obrigatória para todas as crianças em 2016. A baixa incidência de casos no país, após o controlo da doença, levou a contemplar apenas os recém-nascidos pertencentes a grupos de risco.

A BCG é a única vacina existente para combater a tuberculose. Os cientistas defendem que uma vacina melhorada poderia ajudar a alcançar o objetivo da erradicação da doença até 2030.

Recentemente vacinas antigas, como a da tuberculose e da poliomielite, têm estado na mira dos investigadores, em busca de algum tipo de proteção adicional contra a covid-19.