EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ben & Jerry's vai deixar de vender nos territórios palestinianos ocupados

Ben & Jerry's vai deixar de vender nos territórios palestinianos ocupados
Direitos de autor Matt Dunham/Copyright 2016 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Matt Dunham/Copyright 2016 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A marca Ben & Jerry's vai deixar de vender gelados em territórios palestinianos ocupados por Israel. O país já prometeu que não vai ficar de braços cruzados.

PUBLICIDADE

A marca Ben & Jerry's vai deixar de vender gelados em territórios palestinianos ocupados por Israel. Por considerar inconsistente com os seus valores, a empresa pertencente à Unilever decidiu não renovar o contrato que termina no final do próximo ano com o distribuidor local.

O antigo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, reagiu, escrevendo: "Agora, nós, israelitas, sabemos que gelado não devemos comprar". 

O Ministro dos Negócios Estrangeiros israelita considerou que a decisão da Ben & Jerry's é uma "rendição vergonhosa ao antissemitismo" e ao movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções e garantiu que os israelitas não vão ficar em silêncio. Yair Lapid prometeu que vai analisar todas as leis anti-BDS aprovadas nos Estados Unidos nos últimos anos e exigir que eles apliquem essas leis"

O direito internacional considera Jerusalém Oriental, Gaza, a Cisjordânia e os Montes Golã territórios ocupados, segundo as Resoluções do Conselho de Segurança da ONU, mas Israel contesta.

Alguns fãs tinham criticado a Ben & Jerry's por causa de vender em Israel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ministro israelita das Comunicações ordena a devolução do equipamento de vídeo apreendido à AP

Netanyahu critica mandado de captura do TPI como "o novo antissemitismo"

Netanyahu disse a Blinken que não vai aceitar o fim da guerra em Gaza