Putin enaltece poderio militar da Rússia

Putin enaltece poderio militar da Rússia
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vladimir Putin afirma que a Marinha russa tem tudo para defender os interesses nacionais e que a Rússia poderá atacar caso seja necessário

PUBLICIDADE

Vladimir Putin enalteceu, este domingo, o poderio militar da Rússia.

As palavras do presidente foram proferidas durante um desfile naval, em São Petersburgo, por ocasião do aniversário da Marinha russa, que fez 325 anos.

Putin fez questão de frisar que a Rússia continua a desenvolver novas armas e que a Marinha tem tudo o que precisa para proteger a Pátria e os interesses nacionais.

O chefe de Estado deixou um aviso aos inimigos: a Rússia está preparada para atacar, caso seja necessário.

"A Rússia conquistou um lugar digno entre as principais potências navais no mais curto espaço de tempo possível. Passou de uma forma colossal do seu desenvolvimento de um modesto pequeno barco de Pedro o Grande para poderosos navios navais oceânicos e cruzeiros submarinos de transporte de mísseis nucleares. Hoje, a Marinha russa tem tudo o que precisa para garantir a proteção do nosso país e dos nossos interesses nacionais. Somos capazes de detetar qualquer inimigo de superfície, subaquático e aéreo, e de deferir um ataque inevitável, se necessário", assegura o presidente russo.

De acordo com o programa de rearmamento do Kremlin, a Marinha russa receberá mais 180 novos navios e embarcações até 2027.

Espera-se que a Armada receba, em breve, os mísseis de cruzeiro hipersónicos Tsirkon, capazes de se mover a uma velocidade nove vezes superior à velocidade do som, que se encontram na fase final dos testes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin é "a maior ameaça à segurança europeia"

Rússia promete carregar sobre bases de armazenamento de armas ocidentais na Ucrânia

Biden promete que pacote de ajuda militar e financeira à Ucrânia chegará "rapidamente"