EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Protesto contra certificado digital junta 15 mil pessoas em Paris

Protesto contra certificado digital junta 15 mil pessoas em Paris
Direitos de autor PHILIPPE DESMAZES/AFP or licensors
Direitos de autor PHILIPPE DESMAZES/AFP or licensors
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Suíça e Itália também foram palco de manifestações contra a restrição de espaços públicos a quem não está vacinado

PUBLICIDADE

Mais de 200 mil pessoas manifestaram-se em toda a França contra a limitação de acessos a quem não tenha "certificado digital". Só em Paris, foram perto de 15 mil os manifestantes a sair à rua. Foram registados confrontos com a polícia.

Embora a taxa de vacinação em França continue lenta e apesar do aumento no número de casos, há uma grande parte da população que não quer ser vacinada. Há outra fatia ainda maior que não concorda com a liberdade limitada a quem não tem vacinação completa.

Também na Suíça mais de 4 mil pessoas reuniram-se em Lucerna contra a vacina e as restrições impostas a quem não está vacinado. Aconteceram protestos semelhantes em Genebra, onde cerca de 1.000 pessoas participaram numa manifestação com o mesmo mote: Afirmam que as restrições são um ataque às liberdades civis.

Em Itália aconteceram dois protestos, um organizado por grupos políticos e outro por proprietários de bares e restaurantes. Ambos os encontros aconteceram em Roma. Os manifestantes estão contra as restrições impostas pelo governo a pessoas não vacinadas.

Em Itália, a partir de 6 de agosto, o certificado digital vai ser obrigatório para entrar em cinemas, museus, piscinas cobertas, estádios desportivos, ou, por exemplo, para comer em restaurantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Profissionais de Saúde protestam em Budapeste

Europeus saem à rua contra passaporte sanitário

Agricultores franceses mantêm protestos apesar de novas medidas do governo