EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tsimanouskaya está a caminho da Áustria

Atleta bielorrussa no aeroporto de Tóquio
Atleta bielorrussa no aeroporto de Tóquio Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Krystsina Tsimanouskaya abandona Tóquio com destino a Viena. Comité Olímpico Internacional abre inquérito sobre o caso da atleta bielorrussa

PUBLICIDADE

O Comité Olímpico Internacional está a investigar o caso da velocista bielorrussa. Krystsina Tsimanouskaya refugiou-se na embaixada da Polónia na capital japonesa, obtendo um visto humanitário. A atleta não quis regressar à Bielorrússia depois de se recusar a obedecer a uma ordem do Comité Olímpico Bielorrusso e embarcar para casa.

Krystsina Tsimanouskaya deveria ter competido nos 200 metros femininos, na segunda-feira, no entanto foi retirada do seu quarto na Vila Olímpica e levada para o aeroporto onde se recusou a embarcar, depois de ter criticado os treinadores da equipa.

A atleta alegou ter receio de ser detida assim que chegasse ao seu país natal.

Segundo os "media" da Áustria, a bielorrussa está já num avião a caminho de Viena.

O Comité Olímpico Internacional garantiu que Tsimanouskaya está em segurança e que vai investigar o caso.

"O COI está a abrir uma comissão disciplinar para estabelecer os factos neste caso, no caso de Krystsina Tsimanouskaya e para ouvir os dois funcionários, Artur Shumak e Yuri Moisevich, que alegadamente estiveram envolvidos neste incidente. Esta é a nova atualização que vos posso dar hoje", afirma o porta-voz do COI, Mark Adams.

O Comité Olímpico da Bielorrússia e o seu líder Viktor Lukashenko, filho do presidente Alexander Lukashenko, estão proibidos de participar nas Olimpíadas de Tóquio 2020. Estão a ser acusados de discriminação e censura aos atletas que participaram nos protestos contra o regime de Minsk, em agosto de 2020.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Caso Tsimanouskaya: Treinadores expulsos de Tóquio2020

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia

Escassez de mísseis de defesa aérea limita a capacidade da Ucrânia