Talibãs sob pressão dos EUA para formar coligação

Talibãs sob pressão dos EUA para formar coligação
Direitos de autor Rahmat Gul/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sob pressão norte-americana, estão em curso negociações para a formação de um governo de coligação representativo das várias tendências e etnias, para evitar o ressurgimento de conflitos internos.

PUBLICIDADE

Com a chegada ao poder dos talibãs, muitos afegãos sentem-se ameaçados e querem fugir do país.

Algumas pessoas conseguiram deixar Cabul e começam chegar à Europa, onde os líderes políticos tentam encontrar um consenso para acolher e distribuir os requerentes de asilo pelos vários Estados membros da União Europeia (onde o tema das migrações se tornou numa questão fraturante).

Em entrevista à euronews, o embaixador do Afeganistão no Sri Lanka defendeu a necessidade de realizar um esforço conjunto para ajudar o país onde, independentemente dos últimos acontecimentos, metade da população precisa de ajuda humanitária.

“Não é apenas uma questão de quem vai ficar com o poder e o que vao acontecer. A prioridade deve ser ajudar aquela nação de grupos vulneráveis. O nosso ministério diz que são 20 milhões, mas todos são vulneráveis. A taxa de desemprego é de 60% e a única fonte de emprego, o governo do Afeganistão, agora também acabou”, frisou Ashraf Haidari.

euronews
Ashraf Haidari, embaixador afegão no Sri Lankaeuronews

EUA pressionam talibãs a formar governo de coligação

O diplomata afegão que perdeu o emprego com o colapso do governo de Cabul afirma que vai continuar a defender os direitos dos afegãos e tudo o que foi conquistado nos últimos vinte anos.

“Ainda representamos a República Islâmica e os valores defendidos pela República Islâmica. Esses valores são a democracia, os direitos humanos, os direitos das mulheres e todas as liberdades socioeconómicas e oportunidades que são o fruto da institucionalização desses valores pelos quais trabalhámos nos últimos vinte anos e em relação aos quais tínhamos obtido avanços significativos”, acrescentou o diplomata afegão.

Sob pressão norte-americana, estão em curso negociações para a formação de um governo de coligação representativo das várias tendências e etnias. Algo que é visto como essencial para evitar o ressurgimento dos conflitos internos. Enquanto aguarda resultados, Washington gelou as reservas monetárias do Banco Central do Afeganistão que se encontram em contas bancárias nos Estados Unidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Talibãs negoceiam novo governo no Afeganistão

Sul-coreanos despedem-se, emocionados, de panda gigante

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar