EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Marcelo pede papel mais ativo da UE

16.ª reunião do Grupo de Arraiolos
16.ª reunião do Grupo de Arraiolos Direitos de autor MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA/LUSA
Direitos de autor MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA/LUSA
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente da República portuguesa participou na reunião do Grupo de Arraiolos que arrancou com uma homenagem ao fundador, Jorge Sampaio

PUBLICIDADE

O Palácio do Quirinalle, em Roma, foi palco esta quarta-feira da reunião do grupo de Arraiolos. Anualmente, presidentes não executivos de 15 Estados-membros da União Europeia encontram-se para acertar o passo. Uma iniciativa lançada em 2003 pelo então chefe de Estado português Jorge Sampaio. A morte do antigo presidente marcou aliás os trabalhos, que arrancaram com um voto de pesar. 

No final, Marcelo Rebelo de Sousa, destacou a necessidade de construir pontes para responder aos desafios globais e considerou que nesta tarefa a União Europeia tem um papel determinante

"É tempo de perceber que o mundo é multipolar e precisa de ser mais multilateral. Não é uma questão de escolha, é um facto. A União Europeia tem o dever de desempenhar um papel ainda mais importante no mundo, quer por si própria, com os nossos aliados próximos, como os da NATO, com os nossos parceiros e, em geral, com o mundo inteiro," afirmou o chefe do Estado português.

O Grupo de Arraiolos tem o nome da cidade onde há 18 anos decorreu o primeiro encontro dos presidentes de países com regimes parlamentares ou semi-presidenciais. No próximo ano, a cimeira terá lugar em MAlta, antes de voltar a relizar-se em Portugal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: campanha eleitoral abre oficialmente em Itália com apresentação dos logótipos

Meloni quer travar imigração ilegal melhorando condições de vida em África

A crise dos migrantes na fronteira franco-italiana