Última hora
This content is not available in your region

15º Aniversário da morte de Anna Politkovskaya

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira com AFP, AP
euronews_icons_loading
15º Aniversário da morte de Anna Politkovskaya
Direitos de autor  Natalia KOLESNIKOVA / AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Quinze anos depois do assassinato de Anna Politkovskaya decorreram manifestações em sua memória em Paris e Moscovo. Ativistas vestidos de negro permaneceram, em silêncio, no exterior da embaixada russa na capital francesa.

A jornalista da "Novaya Gazeta" foi morta no dia de aniversário do presidente russo. Christophe Deloire, o secretário-geral dos Repórteres Sem Fronteiras, participou no evento. Aos jornalistas afirmou que "d__esde que Vladimir Putin assumiu o poder, desde que foi eleito presidente, pelo menos 40 jornalistas foram assassinados na Rússia, 40, com um nível de impunidade que é extremamente elevado". Em relação ao que esperam hoje, referiu "que esperávamos - e que é impossível a partir de hoje - era ver aqueles que ordenaram o assassinato de Anna Politkovskaya, e não apenas os que o cometeram, serem condenados". Mas o que querem acima de tudo, "é que não haja mais assassinatos na Rússia".

No aniversário deste assassinato foi inaugurado, na redação da Novaya Gazeta, um museu dedicado à sua memória.

Anna Politkovskaia foi morta a tiro a 7 de outubro de 2006. As autoridades russas e Vladimir Putin, pessoalmente, prometeram fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para resolver este crime. Dois dos acusados de homicídio foram condenados a prisão perpétua, e os seus alegados cúmplices receberam longas penas de prisão. Os mandantes não foram encontrados.

A correspondente da euronews em Moscovo, Galina Polonskaya,explicava que sete de outubro de 2021 é o dia em que o crime prescreve e que os editores da "Novaya Gazeta" declararam que vão procurar retomar a investigação e revelar o nome do mandante.