EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Macron quer fim universal da pena de morte

Macron recordou as 483 execuções em 2020
Macron recordou as 483 execuções em 2020 Direitos de autor Ian Langsdon/The Associated Press
Direitos de autor Ian Langsdon/The Associated Press
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidência francesa da UE pretende levar debate à ONU.

PUBLICIDADE

Emmanuel Macron chegou ao Panteão, em Paris, acompanhado pelo homem que conseguiu abolir a pena de morte em França. Foi em 1981 que Robert Badinter, então ministro da Justiça durante a presidência Miterrand, se impôs contra a aparente maioria expressa na opinião pública para acabar com aquilo que era, nas suas palavras, "uma vergonha para a Humanidade".

Em véspera do Dia Mundial contra a Pena de Morte, celebrado esta segunda-feira, Macron recordou as 483 mortes registadas em 2020. Há 33 países na lista negra, incluindo Estados Unidos, China e Irão. Na verdade, o atual presidente francês nasceu dois meses após a última execução em solo francês, um tunisino guilhotinado em Marselha.

Paris assume a presidência da União Europeia já no primeiro semestre de 2022 e quer tornar a abolição universal numa prioridade. Talvez tenha como inspiração o imortal escritor Victor Hugo, que em 1867 escreveu uma carta a louvar o primeiro país europeu a travar a pena capital uns anos antes: Portugal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Autoridades tentam recuperar o controlo da autoestrada de acesso ao aeroporto da Nova Caledónia