EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Junta Militar birmanesa liberta mais de 5600 opositores

A medida provocou comoção no país
A medida provocou comoção no país Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Medida surge depois do país ter sido excluído da Cimeira da ASEAN

PUBLICIDADE

A Junta Militar, no poder em Myanmar, liberta mais de 5600 pessoas, detidas por participarem nos protestos contra o golpe militar de 01 de fevereiro.

A medida surge após o país ter sido excluído da próxima cimeira da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), de 26 e 28 de outubro.

A organização, que engloba 10 países, considerou insuficientes os progressos feitos pelo Junta Militar em Myanmar.

Até à data não foram dados quaisquer pormenores sobre quem será incluído neste indulto, mas parece pouco provável que afete figuras de destaque como a líder deposta Aung San Suu Kyi e o ex-presidente Win Myint, ambos envolvidos em vários processos judiciais arquivados na sequência do golpe de Estado.

Entre os detidos encontram-se o jornalista norte-americano Danny Fester, que está na prisão desde 24 de maio, e o australiano Sean Turnell, conselheiro financeiro de Aung San Suu Kyi, que foi preso após o golpe.

Como parte do perdão, foi revelado que 34 artistas e celebridades procurados pela sua oposição declarada aos militares viram as suas acusações retiradas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia formaliza acusação de terrorismo contra Imran Khan

Forças de segurança francesas tentam retomar o controlo da principal autoestrada da Nova Caledónia

Novos protestos contra a guerra em Gaza na Universidade de Sorbonne em Paris