Investigadores estudam cães geniais

Investigadores estudam cães geniais
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Max e Lizzy são dois border collies que estão a participar numa experiência no Departamento de Etologia da Universidade Eötvös Lóránt em Budapeste. Um grupo de investigação internacional está a estudar como os cães podem aprender os nomes de objetos e identificá-los.

PUBLICIDADE

Max e Lizzy são dois border collies que estão a participar numa experiência no Departamento de Etologia da Universidade Eötvös Lóránt em Budapeste. Um grupo de investigação internacional está a estudar como os cães podem aprender os nomes de objetos e identificá-los. Max já aprendeu os nomes de mais de 100 brinquedos.

"Também podemos trabalhar com estes cães para ver como eles aprendem o novo nome dos objetos e comparar isso com a forma como os humanos aprendem o nome dos objetos para que tenhamos uma melhor compreensão dos processos. Portanto, estamos basicamente a olhar para a evolução da cognição", explica a investigadora Shany Dror. 

Os investigadores descobriram que, embora os cães típicos possam ser completamente incapazes de identificar objetos por palavras, alguns cães, como Max, aprendem com uma facilidade extraordinária. Na primeira fase da investigação, apenas seis "cães geniais" foram identificados em todo o mundo.

"A investigação tradicional olha para as médias, para o desempenho médio de um grupo ou população, mas, neste caso, estamos interessados nestes casos extremos. E podemos ver que em cães, aprender palavras é algo que apenas uma pequena parte da população é capaz de fazer, e isso é um paralelo muito interessante com, por exemplo, alguém que musicalmente se torna uma pessoa especial em comparação com os outros", destaca Adam Miklosi, Responsável do Departamento de Etologia.  

A investigação sobre estes cães que aprendem palavras tem ainda outros objetivos. Os investigadores também estão a procurar respostas para o que desencadeia os movimentos de cabeça para os lados característicos dos cães e a analisar como as palavras são separadas na fala humana. Os resultados do estudo podem até ser aplicados à robótica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia: corrida contra o tempo para salvar cães vadios da eutanásia

Dia Mundial do Cão comemorado na Cidade do México

501 caixões e 200 sacos com cadáveres encontrados abandonados na Argentina