Rússia: corrida contra o tempo para salvar cães vadios da eutanásia

Ulan-Ude, capital da Buriácia
Ulan-Ude, capital da Buriácia Direitos de autor SERGEI GRITS/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um canil na região russa de Buryatia luta contra o tempo para salvar cães vadios. Nova lei prevê eutanásia para animais abandonados na rua.

PUBLICIDADE

A nova lei que permite a eutanásia de cães vadios, em algumas regiões russas, está a pressionar os ativistas de defesa dos animais a tomar medidas mais drásticas para salvar os amigos de quatro patas.

Os voluntários da Buriácia, uma região perto da fronteira entre a Rússia e a Mongólia, afirmam ter salvo cerca de seiscentos animais levando-os para outras regiões, desde Moscovo a Vladivostok, para evitar que fossem mortos. Uma longa viagem de comboio para estes animais.

A lei que propõe a eutanásia de cães vadios

Os cães vadios são colhidos da rua, vacinados, esterilizados e depois libertados em ambiente familiar por voluntários. O refúgio para cães Ananda, o maior da Buriácia, tinha um sistema bem estabelecido para lidar com o problema dos cães vadios, sob o regime anterior nesta região federativa. Mas, desde o verão passado, tudo mudou.

Em julho, a Duma russa alterou a lei sobre o tratamento responsável dos animais, permitindo que as regiões estabelecessem o seu próprio procedimento para animais vadios. As autoridades da Buriácia foram as primeiras a adotar uma lei que permite a exterminação de cães vadios desde 26 de novembro do ano passado. Depois de entrar em vigor, cerca de 18 cães do canil-refúgio Ananda foram exterminados em janeiro. Sem o apoio do Estado, que terminou no ano passado, o canil simplesmente não tem fundos e agora teme que todos os seus cães sejam sacrificados.

Todos os dias, cerca de trinta cães vadios são capturados na capital da Buriácia, Ulan-Ude. Mas agora as regras mudaram e esses cães podem ser sacrificados se os seus donos não forem notificados dentro de trinta dias após a captura. No final de 2023, várias regiões russas permitiram a morte de cães vadios, enquanto as autoridades lutavam contra o aumento de animais abandonados. De acordo com a nova lei, os refúgios de animais podem enviá-los para um centro de detenção temporária (canil), onde serão eutanasiados ou mantidos às suas próprias custas.

No ano passado, o número de cães colhidos pela Ananda, fundada em 2022, subiu drasticamente para mais de 2.500. A razão prende-se com o fim de um dos programas de libertação de cães em bairros.

De acordo com Nargiza Muminova, diretora da Ananda, para manter o abrigo são necessários mais de 200 mil rublos russos (mais de € 2.040) por dia, incluindo salários.

"Sob a nova lei, todos estes animais serão sacrificados. Portanto, com a ajuda de voluntários, estamos a tentar reduzir o seu número no abrigo e a removê-los o máximo possível, para os salvar da eutanásia", disse Muminova.

Cães levados para outras regiões para salvá-los da eutanásia

A maioria dos cães capturados são registados no município, que tem o direito de determinar o seu destino. Para salvar os animais da morte, a proprietária do abrigo registou centenas de cães em seu próprio nome e dezenas de outros voluntários fizeram o mesmo antes de apressadamente tentar encontrá-los um novo proprietário ou alojamento em refúgios de outras regiões.

Nos últimos dois meses, segundo ativistas, cerca de seiscentos cães foram resgatados graças aos esforços dos voluntários. No entanto, mais de 1.500 cães permanecem no abrigo Ananda sozinhos. Os voluntários prometem continuar à procura de novos donos para salvar os outros cães.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cães pisteiros em guerra aberta contra praga de percevejos em Paris

Cães foram as estrelas da Sinfonia da Caça de Mozart

Investigadores estudam cães geniais