EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Web Summit: Denunciante da Facebook admite que demitia Mark Zuckerberg

Web Summit começou em Lisboa
Web Summit começou em Lisboa Direitos de autor ANTONIO COTRIM/EPA
Direitos de autor ANTONIO COTRIM/EPA
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Frances Haugen, ex-funcionára da Facebook (agora, Meta), esteve na feira de tecnologia, em Lisboa, para partilhar problemas de segurança das redes sociais.

PUBLICIDADE

A Web Summit arrancou esta segunda-feira, em Lisboa, e contou com Frances Haugen como cabeça de cartaz. A mais recente denunciante do Facebook esteve na feira de tecnologia onde voltou a afirmar haver pouco interesse por parte da empresa de Mark Zuckerberg em pôr fim ao discurso de ódio e propagação de informações falsas.

De acordo com a engenheira de dados, a Facebook, recentemente renomeada Meta, está a "tentar reduzir" as redes sociais "a uma falsa escolha" entre "censura e liberdade de expressão".

No entanto, afirm ou que "existem soluções não baseadas no conteúdo", como, por exemplo, "fazer a plataforma mais pequena e mais lenta".

Haugen revelou ainda que a gigante tecnológica tem conhecimento dos efeitos nocivos dos próprios serviços sobre os utilizadores e que "tem existido um padrão de comportamento" na empresa "em que têm consistentemente dado prioridade aos seus próprios lucros em detrimento da segurança geral".

Apesar de ainda acreditar na possibilidade de redenção, a denunciante defende que o conselho de administração da agora Meta devia mudar o presidente executivo da empresa, Mark Zuckerberg, para "alguém com vontade de se focar na segurança", uma vez que "é pouco provável que a companhia mude, quando ele permanece" na dua função.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ações da Meta caem 26% após anúncio de perdas de receitas publicitárias

Bruxelas quer saber o que a Meta e o TikTok estão a fazer para mitigar conteúdos falsos violentos

"Fica-se marcado para toda a vida": Trabalhadores processam a Meta alegando que o visionamento de vídeos brutais causou traumas psicológicos