This content is not available in your region

Desflorestação da Amazónia aumenta 22%

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com Lusa
euronews_icons_loading
O ritmo de desmatamento atingiu o valor máximo desde 2006
O ritmo de desmatamento atingiu o valor máximo desde 2006   -   Direitos de autor  Andre Penner/AP

Governo brasileiro anuncia guerra ao desmatamento da Amazónia. Os anos da era Bolsonaro têm sido também anos de recordes consecutivos na destruição da floresta amazónica. Em doze meses, desapareceram mais de 13 mil quilómetros quadrados de vegetação. É o valor mais alto desde 2007.

Numa conferência de imprensa conjunta dos ministérios do Ambiente e da Justiça, o executivo anunciou que a partir de agora vai ser usada "força total. O ministro do ambiente garante que o dispositivo no terreno já contraria a tendência dos dados oficiais agora divulgados.

"São números que tiveram uma alta que não reflete exatamente a atuação dos últimos meses, em que estamos a ser mais presentes, e em que a força nacional com as autoridades locais têm atuado em 23 municípios de forma permanente. São números que são um desafio para nós e teremos de ser mais contundentes em relação a esses crimes," afirmou Joaquim Leite, ministro brasileiro do Ambiente.

Os responsáveis governamentais não conseguem explicar porque é que o relatório com a data de 27 de outubro só foi divulgado depois de terminada a conferência do clima das Nações Unidas que decorreu entre 31 de outubro e 12 de novembro, em Glasgow.

Diz o ministro da justiça que o que importa é analisar os novos dados. Para Anderson Torres, é preciso estudar melhor os números. "Nós vamos fazer um desdobramento desses números para saber exatamente onde é que estão os problemas. Se existe algum tipo de desmatamento legal. O que é legal e o que é ilegal. Onde estão os constrangimentos e quem está a fazer isso," garantiu.

A desflorestação da Amazónia entre 2020 e 2021 aumentou 22%. Os ambientalistas classificam a situação como um "duplo escândalo".

"Há um duplo escândalo que deve ser considerado. O primeiro é o facto de que a nota divulgada pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) ser do dia 27 de outubro, ou seja, anterior à Conferência do Clima. Trata-se da primeira vez em que o relatório não foi divulgado antes ou durante a COP", afirmou João Paulo Capobianco, membro da Coligação Brasil Clima, Florestas e Agricultura, citado pela imprensa brasileira.

"Apesar das tentativas recentes do Governo limpar a sua imagem, a realidade impõe-se mais uma vez. (...) Fica evidente que as ações necessárias por parte do Brasil para conter a desflorestação e as mudanças climáticas não virão deste Governo que está estacionado no tempo e, ainda vê a floresta e seus povos como empecilho ao desenvolvimento”, avaliou Cristiane Mazzetti, porta-voz da campanha da Amazónia na organização Greenpeace.