Cubanos "apanhados" na Bielorrússia

Milhares de pessoas acumulam-se em antigos armazéns bielorrussos, agora transformados em centros de acolhimento a migrantes
Milhares de pessoas acumulam-se em antigos armazéns bielorrussos, agora transformados em centros de acolhimento a migrantes Direitos de autor Maxim Guchek/BelTA
De  euronews com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Atravessaram o Atântico rumo à Rússia, mas tinham como destino final a União Europeia. Ainda não desistiram do sonho de terem asilo político no velho continente

PUBLICIDADE

Nos armazéns bielorrussos junto à fronteira com a Polónia, o cenário não parece deste tempo, com pessoas a acumularem-se no chão e em cima de prateleiras de metal, com colchões improvisados feitos de paletes de madeira.

A maior parte destes migrantes vem de países do Médio Oriente, mas longe do calor dos trópicos, um grupo de cubanos dá nas vistas. Entraram no velho continente através da Rússia - um dos poucos países do mundo que não lhes exige um visto - e ainda não desistiram de chegar ao destino final, mais a sul.

"É muito difícil atravessar a fronteira aqui," desabafa Osien. "Cada vez que passas, eles atiram-te de volta. Gozam contigo. Sofri muito, fiquei quatro dias sem comer e pensei que a minha vida tinha acabado," diz a uma repórter de uma televisão russa.

Esta espécie de ponte aérea para a Europa, com a travessia do Atlântico rumo à Rússia, tem sido uma escapatória histórica de dissidentes do regime de Havana. Tentam entrar em território da União Europeia através da Estónia, Lituânia, Letónia e Polónia. Sentem que foram apanhados numa guerra que não lhes pertence e não querem pernsar na possibilidade de uma deportação para Cuba. "E agora aqui estamos nós para ver o que acontece e para ver se a Europa nos dará asilo político," afirma um dos elementos do grupo de cubanos que, por agora, ocupam uma das prateleiras do centro bielorrusso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de polacos marcharam contra o aborto em Varsóvia

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro

Polónia: eleições locais mostram que conservadores continuam a ser força política de peso