This content is not available in your region

Josephine Baker no Panteão de França

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Nascida nos Estados Unidos da América, em 1906, Baker tornou-se numa estrela internacional na década de 30, do século XX
Nascida nos Estados Unidos da América, em 1906, Baker tornou-se numa estrela internacional na década de 30, do século XX   -   Direitos de autor  euronews

O Empire State Building, em Nova Iorque, iluminou-se com as cores da bandeira francesa em honra de Josephine Baker. A cantora e bailarina será a primeira mulher norte-americana negra a entrar no panteão de França.

Nascida nos Estados Unidos da América, em 1906, Baker tornou-se numa estrela internacional na década de 30, do século XX, em especial em França, para onde se mudou em 1925, tentando fugir ao racismo e à segregação no seu país natal.

Apesar do seu talento, é pelo trabalho como parte da Resistência Francesa durante a Segunda Guerra Mundial que ela é considerada como uma heroína em França.

Josephine Baker conseguiu recolher informações de funcionários alemães que conheceu em festas e levou mensagens escondidas na roupa interior para Inglaterra e outros países aliados, usando o seu estatuto de artista para justificar as suas viagens.

Tornou-se cidadã francesa após o seu casamento com o industrial Jean Lion em 1937 e após a sua morte em 1975, foi sepultada no Mónaco.

Agora, por iniciativa do presidente francês Emmanuel Macron, Josephine Baker torna-se na sexta mulher a entrar no Panteão Nacional, figurando ao lado de nomes como Marie Curie, Victor Hugo ou Voltaire.